Que desapareçam os indesejáveis!

“Dizem que o amor faz grandes obras. O ódio também poderá fazê-las; mas, para isso, como no caso do amor, é preciso conter-se”, Lima Barreto, diário pessoal.

Em 1904, eclodiria no Rio de Janeiro um dos movimentos populares mais importantes da República Velha: a Revolta da Vacina. O episódio é esclarecedor, pois, nos mostra um país em fase de transição, passando por mudanças e transformações. A República veio com o ímpeto de fazer do Brasil uma nação moderna, sem os arcaísmos do Império, com um povo trabalhador, limpo, honesto e, de preferência, branco. O que fosse feio, pobre, sujo ou doente deveria ser exterminado.

Para começar era preciso retirar dos centros das grandes cidades essas pessoas indesejáveis, suas habitações imundas, seus maus hábitos. E foi isso que fez o prefeito Passos com o Rio de Janeiro. Grandes obras, derrubada de cortiços, perseguição aos vadios e à cultura e religiosidade populares. Nesse contexto violento, em que a população mais pobre se sentia acuada e sem perspectivas, começa a campanha de vacinação obrigatória contra a varíola, capitaneada pelo sanitarista Osvaldo Cruz. Sem ações educativas ou de conscientização e com métodos autoritários, a medida revoltou os moradores, insuflados pela oposição:

“Nos três dias seguintes, a rebelião ganharia vigor inimaginável, prorrompendo a multidão dos amotinados numa fúria incontida. (…) As autoridades perderam completamente o controle da região central e dos bairros periféricos, densamente habitados por grupos populares. As tropas eram expulsas dessas áreas(…)”. Nicolau Sevcenko, “A Revolta da Vacina”, Ed. Cosacnaify, 2013.

Ver mais  Valor Econômico entrevista Mary Del Priore

Como sempre, o resultado foi negativo para o movimento popular. As autoridades reprimiram com violência os revoltosos. Houve mortes e punições. Grupos foram desterrados para a Amazônia. Expulsavam-se os indesejáveis, de um jeito ou de outro. Como destaca Sevcenko:

“Entra em vigor um estilo de vida novo e cosmopolita, que a burguesia vitoriosa implantou e definiu ao longo de sua trajetória consagradora, pelo século XIX afora, e que só se fixou com características mais marcantes no Brasil no início do século XX“.

Leitura obrigatória para entender o Brasil republicano e muitos valores que permanecem até hoje, a obra do historiador e professor Nicolau Sevcenko sobre a Revolta da Vacina que foi reimpressa recentemente) é de uma atualidade impressionante. Nos dias atuais, permanece a obsessão por tirar os miseráveis, os doentes, os “bandidos” de nossas vistas, e tais objetivos continuam dando a direção de muitas políticas públicas e urbanísticas.  – Texto de Márcia Pinna Raspanti.

vacina1

Nicolau Sevcenko, “A Revolta da Vacina”, Ed. Cosacnaify, 2013.

 

Deixe uma resposta