As bruxas no folclore brasileiro

           O Dia das Bruxas ou Halloween é uma tradição dos Estados Unidos que se tornou popular em diversas partes do mundo, inclusive entre os brasileiros. As feiticeiras não são estranhas à nossa cultura, tendo tradicionalmente as características das bruxas europeias medievais. Mas que peculiaridades elas adquiriram por aqui? A “bruxa” sempre fez parte de nosso folclore, assustando as crianças e adultos. A sua figura veio com os portugueses: “velha, magra, alta, enrugada, horrorosa de feiura e hedionda de sujeira, coberta de trapos, com um saco cheio de coisas misturadas e confusas, andando de noite, misteriosa, sinistra, silenciosa”, descreve Câmara Cascudo. Uma de suas funções “clássicas”, é a de feiticeira, que representa as angústias noturnas infantis, aterrorizando os pequenos que se recusam a dormir nos horários determinados pelos pais. Cascudo acreditava que o arsenal “histórico dos esconjuros e defesas” contra as bruxas está desaparecendo.

          Vejamos algumas formas tradicionalmente usadas pelo Brasil para espantar a perversidade das feiticeiras ou identificá-las:

  • – Lâmina virgem escondida nos cômodos: as bruxas fogem das lâminas de aço
  • – Camada de sal na soleira das portas não as deixa entrar. Elas não pisam no sal por lhes recordar o Mar-Sagrado, local onde suas forças são anuladas
  • – Quarto com criança recém-nascida deve ser protegido com estrela de cinco pontas ou uma cruz feita de palhas-bentas do Domingo de Ramos
  • – Para identificá-las, nas igrejas, deixava-se o missal aberto, isso impedia a bruxa de sair (ela só consegue deixar o recinto com o livro fechado). Suspender o ferrolho da porta teria o mesmo efeito.
  • – Bruxas não conseguem atravessar a água corrente
  • – No Nordeste, acreditava-se que uma surra com pinhão-de-purga acabava com os poderes das feiticeiras
Ver mais  As crianças na economia colonial

Câmara Cascudo lembra que as bruxas têm diversas funções na nossa cultura tradicional, entre elas fazer feitiços amorosos para atrair ou manter a pessoa amada, por meio de rezas, orações fortes ou poções, além de receitar remédios e simpatias para cura de diversos males (medicina popular). “Em cada povoação e vila, cidade e sede do município, haverá sempre uma velha misteriosa, rezadeira, cercada pelo halo da prestigiosa fama de sabedoria e poder. É a Bruxa, a Feiticeira, paupérrima, faminta, miserável, poderosa e digna de esmolas”, conclui o folclorista.

Texto de Márcia Pinna Raspanti.

Referência Bibliográfica: CASCUDO, Luís da Câmara. “Dicionário do Folclore Brasileiro”, Instituto Nacional do Livro, Rio de Janeiro, 1962.

henryfuselibruxaemandragora1812

“Bruxa e mandrágora”, de Henry Fuseli.

SAIBA MAIS:

Corpos enfeitiçados: curandeiras e bruxas

Botânica e bruxaria a serviço da saúde feminina

Bruxarias na Colônia: escravos e demônios

Feitiços e bruxarias nos tempos coloniais

One Response

  1. Vitória Lima

Deixe uma resposta