Corpos enfeitiçados: curandeiras e bruxas

À revelia das análises de morfologia e funcionamento que eram redigidas por tratadistas e médicos, a ‘madre’ (útero) ganhava vida própria e peculiar no cotidiano das populações coloniais, que liam nos seus encantamentos outra morfologia e outro funcionamento. “Não negamos que da corruptela dos humores dentro do corpo se possam gerar coisas monstruosas”, avisava cauteloso Bernardo Pereira, confirmando a ambiguidade de um órgão que não se deixava apreender. Tudo indica que a possibilidade de se ter os órgãos procriativos enfeitiçados era encarada com naturalidade, e a documentação é rica justamente ao capturar o embate que houve entre médicos e mezinheiros no … Continue lendo Corpos enfeitiçados: curandeiras e bruxas