O mito dos Bandeirantes

A proximidade do aniversário de São Paulo nos traz à memória uma das figuras mais emblemáticas da história e da historiografia paulistas: o bandeirante. As expedições que partiam pelos sertões do Brasil, desde o século XVI até meados do XVIII, em busca de riquezas – metais, pedras preciosas e índios para o cativeiro – tornaram-se um símbolo da bravura e da ousadia do povo paulista.

O interessante é que esta glorificação das bandeiras – que receberam este nome devido ao costume tupiniquim de levantar uma bandeira em sinal de guerra – ocorreu no final do século XIX, quando São Paulo já havia atingido uma grande importância econômica, mas, continuava ocupando papel secundário na esfera política. Começava então a valorização dos bandeirantes como responsáveis pela integração nacional e pela conquista do interior do País. A Revolução de 1932 foi o ápice desta leitura histórica paulista, quando a atuação destes desbravadores foi invocada como justificativa para o combate que buscava a derrubada de Getúlio Vargas.

O que chama a atenção é que, no processo de construção do mito, os bandeirantes passaram por uma mudança total no que se refere ao vestuário e aos costumes. A imagem construída pelos historiadores e políticos paulistas mostra o bandeirante como um homem imponente, de longas botas, chapéus de abas largas, capas, armas na cintura, empunhando um mosquete poderoso e galopando em garbosos cavalos. A realidade era bem mais dura e violenta. As tropas, compostas por uma maioria de escravos indígenas, caminhavam descalças por distâncias inimagináveis. A fome era companhia constante. As roupas se resumiam a calças e camisas de tecido grosseiro, o gibão de couro de anta (espécie de colete fechado e acolchoado), chapéu de palha, mosquetes, pistolas e espingardas (geralmente enferrujadas) para os que lideravam; forquilhas, arcos e flechas como armas para a maioria. Os bandeirantes assimilaram os costumes dos índios e mamelucos para conseguir sobreviver.

Ver mais  Parabéns, São Paulo!

As tropas eram lideradas pelos “capitães do arraial”, sertanistas experientes que tinham poder absoluto sobre os demais. Os capitães reuniam filhos, parentes mais próximos e agregados para acompanhá-los nas expedições, para ajudá-los a comandar. Havia também as figuras do capelão, do alferes-mor (que repartia os índios capturados) e do escrivão. Os mamelucos eram guias e intérpretes, pois, falavam a “língua geral” (tupi) e podiam se comunicar com as diversas tribos. O restante do grupo era formado por escravos indígenas, inclusive mulheres que seguiam junto à tropa.

Em “Capítulos de História do Império”, Sérgio Buarque de Holanda discorre sobre os conflitos e contrastes do nosso Império. Chamou-me a atenção a abordagem do autor em relação aos atritos entre portugueses (de primeira geração ou não) e brasileiros, no final do período colonial e no pós-independência. Sérgio Buarque aponta diferenças “idiossincráticas” entre os grupos, que incluem discrepâncias no modo de falar e de vestir. Tais discrepâncias alimentavam as hostilidades já arraigadas nos séculos de vida colonial.

O autor destaca que os “naturais de São Paulo”, os bandeirantes, costumavam andar descalços pelas matas em busca de índios e riquezas, causando estranheza entre os portugueses que não se conformavam com aqueles pés nus e aqueles modos “selvagens”. Sérgio Buarque faz a seguinte análise da Guerra dos Emboabas (1707-1709): este nome seria um apelido pejorativo que os paulistas teriam dado aos portugueses que tentavam roubar-lhes o ouro recém-descoberto nas Minas Gerais. Emboaba, na língua geral era o nome das “aves calçudas”, que representariam os forasteiros ambiciosos – e calçados – que chegaram rapidamente às terras onde se escondiam os metais tão sonhados pelos colonos. Os paulistas logo seriam expulsos das minas e perderiam o direito de explorar as riquezas descobertas originalmente por eles. O episódio mais dramático da derrota dos paulistas, liderados por Borba Gato, foi a batalha do “Capão da Traição”. Logo depois, a Vila de São Paulo seria fundada e uma relativa paz passaria a reinar, depois de muitas mortes, infelizmente.

Ver mais  Seios: nutrição, erotização e hipocrisia

– Márcia Pinna Raspanti

Bandeirante

Domingos Jorge Velho, imponente no retrato de Benedito Calixto.

8 Comments

  1. jurema
    • janaina
  2. janaina
  3. Thales Magalhaes
  4. Iuri Azeredo
  5. Ivan Dias

Leave a Reply