Escravidão e Religião

A partir de meados do século XIX, a religião cristã começava a enxergar a escravidão como uma prática cruel, que deveria ser combatida por razões de caridade cristã. A própria princesa Isabel aderiu fervorosamente ao abolicionismo devido à sua religiosidade e dedicação ao catolicismo. Entretanto, nem sempre foi assim. A escravidão, nos séculos anteriores, era aceita e bem vista pelos religiosos, sendo considerada um meio de conversão das almas.

Nos séculos XVII e XVIII, por mais paradoxal que pareça nos dias de hoje, a escravidão era vista como uma oportunidade de salvação para os africanos. Por isso, os grandes pregadores e religiosos da época, destacavam sempre a importância de ensinar-lhes a fé católica e os costumes religiosos.

“Os escravos são as mãos e os pés do senhor de engenho, porque sem eles no Brasil não é possível fazer, conservar e aumentar fazenda, nem ter engenho corrente”, dizia o jesuíta João Antônio Andreoni, o Antonil, em 1711.

Em outras palavras, naqueles tempos entendia-se que a economia colonial dependia do sistema escravista, sem ele, seria inviável manter a Colônia. Mas, não se tratava somente de razões econômicas, já que moral, religião e economia se misturavam naqueles tempos.

Outro jesuíta famoso, Antônio Vieira, acreditava o escravo deveria servir bem seu senhor e salvar sua alma. “O que haveis de fazer é (…) dar muitas graças pelo cativeiro que vos trouxe e, sobretudo, aproveitar-vos dele para trocar a liberdade e a felicidade da outra vida, que não passa, como esta”.

Ver mais  Roda dos expostos da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro

Os senhores também tinham suas obrigações nessa sociedade idealizada pela Igreja. O mais importante era fazer dos escravos homens e mulheres cristãos, ensinando-lhes a doutrina, batizando-os, casando-os, nunca obriga-los a trabalhar aos domingos e nos dias santos. Era também preciso discipliná-los, castigando-os como um pai faria com os filhos.

Enfim, a escravidão era considerada necessária e até natural naqueles tempos, e o cativeiro dos negros era aceito como justo. A religião procurava normatizar as relações e evitar os conflitos, apesar de estes nunca deixaram de existir. Um século depois, a violência desta prática – e as mudanças na economia mundial – tornariam o trabalho escravo inaceitável. – Márcia Pinna Raspanti

feitordebret

Feitor castigando um escravo, obra de Debret: bem longe das relações idealizadas pela Igreja.

 

 

9 Comentários

  1. galera do 7 marista
    • GGM
    • Povo do 7 D marista
    • Galerinha do 7 ano A
  2. wagner modesto
    • Luizito Jose
    • Luizito Jose
  3. Nilo Tavares

Deixe uma resposta