Como Allan Kardec popularizou o espiritismo no Brasil, o maior país católico do mundo

Paris, 1857. O professor francês Hippolyte Léon Denizard Rivail, de 53 anos, estava prestes a colocar um ponto final em seu mais novo livro quando se viu tomado por uma dúvida: usar seu nome de batismo ou recorrer a um pseudônimo?

Sua mais nova publicação, O Livro dos Espíritos, nada tinha a ver com os mais de 20 livros didáticos, de física, química e matemática, que ele já tinha escrito e eram adotados em escolas e universidades. Foi quando Rivail se lembrou de que, em uma das muitas sessões mediúnicas de que participou, um “amigo espiritual de vidas passadas” de nome Zéfiro havia dito que, na época do imperador Júlio César, entre 58 e 44 antes de Cristo, ele tinha sido um líder druida na sociedade celta. Seu nome? Allan Kardec.

“O recurso do pseudônimo tinha a vantagem de não expor Rivail numa época em que, embora a heterodoxia religiosa fosse tolerada, sempre se corria riscos”, explica Mary Del Priore, doutora em História Social pela Universidade de São Paulo (USP) e autora de Do Outro Lado – A História do Sobrenatural e do Espiritismo (Planeta, 2014). “Era também uma forma de proteger sua carreira editorial, sem dar chance de retaliação por parte de instituições de ensino religioso que tivessem adotado seus manuais”.

LEIA A MATÉRIA COMPLETA DA BBC NEWS BRASIL: Como Alan Kardec popularizou o espiritismo no Brasil

Alan Kardec

Professor francês Hippolyte Léon Denizard Rivail, de 53 anos, usou pseudônimo Allan Kardec para assinar ‘O Livro dos Espíritos’

 

 

3 Comentários

  1. Maria José Silva Caldas Fagundes 21 de Maio de 2019
    • Márcia 22 de Maio de 2019
      • Thiago 13 de novembro de 2019

Deixe uma resposta