Resenha: Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil

Zumbi foi escravista? Santos Dumont é nosso grande inventor? Os índios brasileiros destruíam a mata atlântica? A ditadura militar brasileira foi “branda”?  Eis alguns temas abordados no Guia politicamente incorreto da história do Brasil, de autoria de Leandro Narloch.

Por Renato Venancio.

            Lançado há quase dez anos (a primeira edição é de 2009), esse livro inspirou recentemente uma polêmica série de tv. Além disso, seu conteúdo tem sido cada vez mais assimilado por outros meios de comunicação. Daí, a atualidade da resenha de uma publicação já relativamente antiga. A partir de indagações semelhantes às que abrimos esse texto, Narloch avança afirmações bastante frágeis do ponto de vista do uso de fontes e de respectivas interpretações. Focalizando isso, desenvolvi uma análise de cada uma das dez “partes” do livro dele.

          Como o Guia politicamente incorreto visa a um público amplo, optei por divulgar essa resenha em uma página no Facebook, especialmente criada para esse fim. Procurei, por esse meio de divulgação, abrir um espaço para um amplo debate, que envolva especialistas e não especialistas, no sentido de alertar a todos para a necessidade de ler criticamente as interpretações da História Politicamente Incorreta.

        Sob a aparência de um texto divertido ou irônico, essa História Pública, de fato, divulga preconceitos. Essa é a conclusão geral da resenha. Para lê-la na íntegra, o leitor deve consultar o link abaixo:

O Incorreto no Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil

VENANCIO, Renato. Resenha do livro Guia politicamente incorreto da história do Brasil. 2ª ed. São Paulo: Leya, 2012.

Contato: politicamentecorreto2018@gmail.com

Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil (capa)

“Sob a aparência de um texto divertido ou irônico, a obra divulga preconceitos”

6 Comentários

  1. Arnaldo 9 de agosto de 2019
    • Márcia 19 de agosto de 2019
    • Renato Venancio 3 de setembro de 2019
  2. Zezé Vilhora 2 de março de 2018
  3. C. Constante 27 de fevereiro de 2018
  4. Danilo 27 de fevereiro de 2018

Deixe uma resposta