Eleições: “para os amigos pão, para os inimigos pau”

Desde 1835 havia poderosos defensores da antecipação da ascensão de d. Pedro ao trono, prevista para 1843, quando então o futuro monarca completaria 18 anos. O denominado Golpe da Maioridade, que ocorreu em 1840, representou a vitória desse grupo e sagrou o jovem imperador – que nem mesmo havia completado 15 anos de idade – como representante da nação. O retorno de um membro da casa de Bragança ao trono foi acompanhado por uma série de medidas legais que combatiam os chefes e caudilhos locais, revigorando os dispositivos da Constituição de 1824 através do Poder Moderador, abolindo inovações regenciais, tais como a eleição de presidentes de província, que passaram a ser indicados pelo monarca, e subordinando a autoridade policial ao Ministério da Justiça.

Em 1840, no dia 13 de outubro, ocorreram as primeiras eleições do Segundo Reinado. O jovem monarca era cercado por liberais, enquanto a Câmara era predominantemente conservadora. Para evitar os impasses na hora da aprovação de decisões ministeriais, convocaram-se novas eleições. O pleito foi caracterizado por fraudes, ameaças, coações e muita violência. Os liberais enviavam homens armados nos locais de votação para intimidar e espancar os eleitores. Os adversários políticos eram ameaçados de morte.

Assim, os liberais saíram vitoriosos. Mas, em 1841, D. Pedro II destituiria o ministério liberal, trocando-o por outro de tendência conservadora. O pleito de 1840 ficou conhecido popularmente como “eleições do cacete”. A população ironizava os métodos do Partido Liberal atribuindo-lhe o lema: “para os amigos pão, para os inimigos pau”. O sistema político que emergiu das lutas dos primeiros vinte anos da independência apresentava, por isso mesmo, um forte sabor centralizador: o imperador reinava, governava e administrava.

Ver mais  Guerra do Paraguai: o Império ameaçado

Todavia, ao mesmo tempo em que isso ocorria, os dirigentes do Império, escaldados pelas duras lutas contra as revoltas regionais, procuraram conquistar os fazendeiros, legitimando, através da mediação do Estado, a dominação que exerciam localmente. Para tanto, trataram de consolidar os partidos políticos liberal e conservador, com o objetivo de mostrar aos proprietários que na monarquia não haveria monopólio de poder nas mãos de um único grupo. Com o intuito de viabilizar essa política de cooptação, o reinado de d. Pedro II também distribuiu prodigamente títulos de nobreza. Assim, enquanto d. Pedro I concedeu de dois a cinco títulos de barão por ano, seu sucessor elevou essa média para dezoito títulos. É possível dizer, portanto, que durante o Segundo Império (1840-89), a cada dois meses tínhamos três novos barões; muitos deles mulatos endinheirados pelo café, que causavam escândalo entre viajantes europeus racistas, como o conde de Gobineau, e eram alvo do deboche popular. Risos à parte, essa sutil forma de conquistar os “mandões” locais serviu como uma maneira de compensá-los simbolicamente pela perda de parte do domínio que, sem interferência de poderes públicos, antigamente exerciam.

Contudo, a transição para um sistema político centralizado não ocorreu sem conflitos. Em 1842, oligarquias regionais, como as de Minas e São Paulo, lideraram a Revolução Liberal, pegando em armas contra o governo do Rio de Janeiro. Na combativa província de Pernambuco, durante a Revolução Praieira de 1848, os rebeldes contaram com a adesão popular, havendo até a defesa da reforma agrária, o que em muito assustou os grupos conservadores, que, talvez pela primeira vez, fazem menção à “ameaça socialista” que pairava sobre o Brasil, conforme se lê nas devassas feitas contra os insurgentes.

Ver mais  Prostituição e turismo sexual no Brasil

Ao cabo de uma década, as instituições e articulações políticas dos dirigentes do Império foram suficientemente eficazes a ponto sufocar os revoltosos e convencer as elites locais da importância e viabilidade do projeto centralizador.

  • PRIORE, Mary del. “Uma Breve História do Brasil”. São Paulo, Planeta, 2010.
  • VIVEIROS, Jerônimo de, Dois estudos históricos, escorço da história do açúcar no Maranhão e no Tempo das eleições a cacete, org. Luiz de Mello, São Luíz, Ponto a Ponto Gráfica, 2016.
eleições do cacete - caricatura da época

Caricatura da época sobre as “eleições do cacete”. Não encontramos referências sobre a autoria.

Deixe uma resposta