As festas no Brasil Colônia

 

Chega o fim do ano e começamos a nos preparar para um período de festas, com direito a muita comida, bebida e consumismo. Será que as coisas eram diferentes no passado? Nos tempos coloniais, apesar dos esforços da Igreja, os excessos também davam o tom das comemorações.       

 

Nos séculos XVII e XVIII, havia um calendário oficial de datas festivas, que podiam ter caráter religioso ou político. Os nascimentos de príncipes e princesas, os casamentos da nobreza, e até as mortes de figuras ilustres – tanto do Brasil quanto de Portugal – eram bons motivos para festança. No âmbito religioso, Páscoa (na verdade toda a Semana Santa), Natal e os dias dedicados aos santos eram as datas mais comemoradas.

     A festa seguia um determinado roteiro: missas, novenas, procissões, fogos, bailes e muita comilança. Em um ambiente extremamente pobre em atividades sociais e culturais, estas ocasiões tinham grande importância para a população em geral. As festanças eram ainda uma ótima oportunidade para que homens e mulheres desfilassem com suas roupas mais luxuosas e bonitas. Nestas ocasiões, as pessoas podiam exibir os melhores tecidos, bordados, joias e todos os adereços possíveis. As irmandades se preparavam com antecedência para mostrar todos seus associados devidamente paramentados: havia competição entre os grupos para ver quem ostentava maior riqueza. 

          Na véspera de Natal, os mais ricos tinham o hábito de organizar bailes e reuniões em suas propriedades. Os escravos também eram liberados para seus festejos: as danças “africanas” atraíam a curiosidade dos brancos. Os “folguedos honestos”, como definia o jesuíta Antonil, eram tolerados para diminuir a revolta e a insatisfação dos cativos. O dia de Natal era reservado para encontros familiares e para visitas aos parentes e amigos mais chegados.

         Por mais religiosa que fosse a festa, os aspectos pagãos e populares marcavam presença. A Igreja tentava, geralmente em vão, normatizar esses eventos em que as pessoas costumavam cometer todos os tipos de excessos: de comida e bebida, danças, sexo. E mais uma vez, a ostentação era um dos elementos centrais do espetáculo. – Márcia Pinna Raspanti

irmandadedbdjoao

Irmandade de negros, Debret, e a aclamação de D. João VI.

 

 

5 Comentários

  1. João Baptista de Siqueira Neto

Deixe uma resposta