Resistências históricas de Lésbicas e Mulheres bissexuais no Brasil

“Pautando da fala de Simone de Beauvoir “Não se nasce mulher,
torna-se.” Se ate hoje não foi possível identificar o que é ser mulher
me pergunto… O que é ser lésbica? Mulheres que amam mulheres?
Mulheres que fazem sexo com outras mulheres? Mulheres que
se sentem atraídas por outras mulheres, mas não ousam o sexo?
Mulheres que amam outras mulheres e fazem sexo com homens?
A lesbofobia passa por varias vertentes, se você é lésbica, mas e
feminina, tem cabelo liso, grande, magra, passara despercebida no
trabalho, vai passar nas entrevistas de emprego, vai passar pela escola
sem maiores problemas, além de que se souberem que você é lésbica
ganha de brinde fazer parte das fantasias sexuais masculinas, obténs
se os privilégios da passabilidade.
Mas se você for uma lésbica com
estereótipos masculinos, negra, cabelo crespo, gorda, a possibilidade
de conseguir uma colocação no mercado de trabalho diminui
drasticamente e a de ser chamada de sapatão, mulher macho, ou
mesmo de ser agredida aumenta e muito. Até que ponto o imaginário
masculino defini o que é ser lésbica?”  – O QUE É SER MULHER, NEGRA
E LÉSBICA NA ATUAL CONJUNTURA DO PAÍS?, de Liliane Martins. 

 

“(…) compreendi que nunca estaria dentro
daquilo que esperavam de mim, que a sociedade impõe como padrão,
eu queria ser eu mesma e não aquilo que deveria ser.
Na adolescência me deparei com a inquietação em relação a minha
orientação sexual, mesmo na época não tendo dimensão desses termos
e nomenclaturas, comecei a pesquisar nos lugares que tinha acesso
aos computadores a seguinte frase “mulheres que beijam mulheres”. – NEGRA, LÉSBICA E JOVEM:
MINHA TRAJETÓRIA COMO MILITANTE NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO,
de Wakyla Cristina Amaro Corrêa.

Questionamentos, depoimentos e pesquisas sobre o universo das mulheres lésbicas e bissexuais compõem o livro “Nossas Histórias, nossas vozes – Resistências históricas de Lésbicas e Mulheres bissexuais no Brasil”, resultado de um esforço coletivo do movimento de Lésbicas e Mulheres Bissexuais organizadas no X SENALESBI, em 2018. A proposta foi produzir um livro que reunisse os relatos da construção do movimento no Brasil, a partir da perspectiva de cada uma das autoras.

“Quem somos, de onde viemos, como formamos nossa militância e qual a leitura que fazemos dos fatos históricos passados e presentes da construção de nossa luta é o tema central desta coletânea de artigos”.

Para ter acesso gratuito à obra acesse aquiNossas Histórias, nossas vozes – Resistências históricas de Lésbicas e Mulheres bissexuais no Brasil

Duas amigas

Duas amigas, de Henri de Toulouse-Lautrec

 

 

Deixe uma resposta