Remoções forçadas de grupos indígenas no Brasil republicano

As remoções forçadas de grupos indígenas foram um expediente recorrente em diferentes períodos da história brasileira. Fossem para estabelecer grandes empreendimentos (ferrovias, rodovias e/ou hidrelétricas), fossem para estimular o agronegócio, grupos indígenas foram violentamente deslocados de suas terras originárias. Aqui, sem recuarmos tanto no tempo, tencionamos tratar de tais remoções durante o período republicano, no qual  não faltam relatos de tão brutal violência. Cabe notar que uma das  recomendações que consta no relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV), concluído em 2014, no capítulo dedicado a tratar da  situação dos grupos indígenas, foi de que é imprescindível promover o  incremento de estudos sobre o que se passou com os indígenas no século passado, especialmente no período militar. Sem nos atermos a tal período, mas incluindo-o, propomo-nos a aprofundar essa recomendação, reunindo trabalhos dedicados a tratar das experiências de remoção que tiveram diferentes grupos indígenas, de diferentes filiações linguísticas e  contextos locais em um único dossiê, buscando o efetivo compartilhamento dos resultados das pesquisas dedicadas à temática. Dadas as experiências
ditatoriais vividas também por nossos vizinhos no Cone Sul, o dossiê abre-se, excepcionalmente, à recepção de contribuições de colegas  hispano-hablantes. A chamada de artigos para o dossiê estará aberta até o  dia 20 de agosto e serão aceitos textos em português, espanhol e inglês.

Os interessados em colaborar com o dossiê, devem submeter suas
contribuições diretamente na plataforma virtual da Mediações:
http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes .

Ver mais  Heranças de Portugal

Chamada de artigos – Revista Mediações (UEL), vol. 22, n. 2 (2o semestre de 2017)
Dossiê: Remoções forçadas de grupos indígenas no Brasil republicano
Organizadores: Edilene Coffaci de Lima (UFPR)
Jorge Eremites de Oliveira (UFPel)

Jean-Baptiste Debret.

One Response

  1. Thiago

Deixe uma resposta