Comércio florescente, alforrias, missas e um pedaço de fachada

Por Aloysio Clemente Breves Beiler.

Um passeio pelas ruas centrais do Rio, admirando a pouca arquitetura antiga que resta na cidade, me leva à reflexão de como teria sido a vida dos cariocas num tempo mais remoto e não tão distante. Por conta do trabalho numa empresa próxima à rua Marechal Floriano, coloquei algumas vezes meu carro num estacionamento que fica no número 209. Do lado direito, apenas uma parede muito antiga que restou de uma fachada e uma entrada de carros, para quem chega da Central do Brasil.

Ao entrar, deixando o pensamento voltar ao passado, reconstruo o belo sobrado residencial onde residiu por algum tempo Dona Ana Clara de Moraes Costa. Filha dos barões do Piraí, sobrinha do “rei do café” Joaquim Breves, e uma das herdeiras das fortunas do Vale do Café Fluminense, Dona Ana morreu em 28 de novembro de 1876, deixando em testamento uma fortuna e a alforria pelo menos 20 escravos: Reginaldo, com 3 apólices da dívida pública de mil réis cada; Adriana com 2 apólices. Também libertou: João, Bibiana, Elesbão, Henriqueta e Ernesto, pardo, que deveria ficar com sua filha Cecília, obrigando-a a educá-lo e aprender o ofício de boticário.

Aplacando sua consciência e tendo a certeza do caminho do Céu, seu testamenteiro, cumprindo suas exigências, mandou celebrar 650 missas: por sua alma; pelas almas de seus pais, irmãos, tios, cunhados, parentes e compadres, maridos (foi casada duas vezes), escravos e purgatório. No dia de seu enterro mandou distribuir uma boa fortuna aos pobres e aos escravos.

Uma de suas filhas, Ana Clara, se casou com o fidalgo russo Maurice Haritoff e foi a grande dama dos salões imperiais, promovendo festas em seu palacete em Laranjeiras e em sua fazenda Bela Aliança, em Piraí, RJ. Chamada de condessa Haritoff, Ana Clara Breves de Moraes Costa morreu muito jovem e ficou e eternizada numa tela de grandes dimensões, de autoria do alemão Richter, em exposição no Museu Nacional de Belas Artes.

Para sua filha Rita deixou o imóvel do número 209 da Rua Larga de São Joaquim. Em pouco tempo, Rita vendeu a casa de dois pavimentos com quintal nos fundos que serviu a diversos propósitos: residiu um professor que fundou um colégio, funcionou uma associação comercial, foi vendida e alugada sucessivamente até a sua demolição.

As transformações do progresso não me impedem de imaginar a história da famosa rua, que se valia das bestas movidas a capim puxando os bonds da Carris Urbanos que eram a força motriz vigente. Agora, circulam os automóveis, nossas “bestas atuais”. Perdemos o esterco, ganhamos rapidez, fumaça e poluentes.

Durante algum tempo, por conta da proximidade com o porto, do trotoir intenso de prostitutas, ladrões, escravos, jogadores e capoeiras, a rua ficou com má fama. Hoje, na barulhenta via, o comércio de louças e ferragens progride, talvez atendendo à simpática quadrinha publicada no jornal Estação em dezembro de 1900:

 Que minha face empalideça e encove, si eu minto, quando digo a toda a gente, que só se compra louça de patente, na rua Larga, cento e vinte e nove.

Continuo na minha caminhada e chego ao Largo de Santa Rita, um templo de fé, exemplo grandioso do barroco-rococó, onde devotos rezam e acendem velas, e na rua, os não menos cristãos fazem uma pausa, para a sardinha frita e chope gelado, abençoados também.

 

Aloysio Clemente Breves Beiler

soubreves@yahoo.com.br

Baú da Rua Larga – Folha da Rua Larga no. 42

Instituto Cultural Cidade Viva – Rio de Janeiro

3 Comentários

  1. Renato C. Azevedo Moraes 12 de outubro de 2014
  2. Marly Maria Mayrink 15 de setembro de 2014
  3. Prof. Adinalzir Pereira 13 de setembro de 2014

Deixe uma resposta