Quando o Romantismo encontra a Dança – e mergulha no Youtube

Por Eneida Quadros Queiroz.

O Romantismo talvez seja a escola literária mais conhecida e cultuada do Brasil. Suas grandes produções, tanto na Europa quanto no Brasil, são consideradas clássicos da literatura até hoje: de Victor Hugo a José de Alencar.

Os professores de literatura e de história da arte têm grande munição de romances, poesias e pinturas para ilustrar aos alunos as tão conhecidas características desse movimento cultural: o sentimentalismo, o ufanismo, o nacionalismo, a idealização da mulher, o escapismo. Como o recurso multimídia traduz de forma quase palpável cada uma dessas características, quando surgem filmes como “Os Miseráveis (2012)”, uma adaptação do romance homônimo de Victor Hugo, ou novelas como “Essas Mulheres (2005)”, adaptação de três livros de José de Alencar: LucíolaDivaSenhora: alunos e professores saem ganhando.

No entanto, esquecem-se que outra arte – além da literatura e da pintura – também era influenciada pelo Romantismo: o Ballet. E, como recurso visual e auditivo, o Ballet Clássico talvez seja a materialização mais perfeita do Movimento Romântico: conclamo que os professores façam uso desse recurso, já que hoje os outrora raros e caros DVDs de arte já estão todos disponíveis no Youtube.

O Ballet Giselle, que teve sua estreia em Paris em 1841, é considerado o ápice do romantismo na dança. A história de amor entre o conde Albrecht e a camponesa Giselle, que morre de desilusão amorosa, é encenada até hoje pelas grandes companhias de dança de todo o mundo. A obra é dividida em dois atos de grandes contrastes, o primeiro é realista e palco para o namoro dos protagonistas; o segundo é a essência do Movimento Romântico, onde a fantasia de horror e sedução se mistura em um ambiente iluminado apenas pelo luar e povoado de almas tão lindas quanto ameaçadoras.

Uma geração de poetas românticos tornou o cemitério o cenário de suas poesias e beberam em antigas lendas as ideias para as histórias que escreviam. Com Giselle não foi diferente. A lenda das Willis, presente em Giselle, tratava das almas de moças traídas que vinham atormentar seus amados, fazendo-os dançar até a morte para através dessa vingança encontrarem a paz.A lenda dessas infelizes que morrem de desilusão amorosa e tornaram-se vingativas retornou no livro Da Alemanha, do poeta romântico Heinrich Heine, influenciando os libretistas de Giselle: Vernoy de Saint-Georges e o líder do movimento romântico Théophile Gautier.

A experiência sentimental, visual e auditiva de Giselle sempre marca aqueles que apreciam a dança, o Movimento Romântico e uma bela história de amor e perdão. Para conhecer mais sobre o Ballet, acesse o vídeo “Giselle: a essência do romantismo” no Canal Poética dos Museus: são 16 minutos de cultura e amor para sua alma e seus alunos: https://www.youtube.com/watch?v=F4S05Wjf2yI&t=158s

 

O Ballet Giselle é considerado o ápice do romantismo na dança

 

 

Deixe uma resposta