Professores: quando estudar se torna um problema

Dando sequência à nossa seção “Professor: conte sua História”, trazemos o depoimento de uma educadora que enfrentou inúmeros obstáculos para poder estudar e se preparar melhor para suas aulas. Isso mostra como falta apoio por parte das autoridades. O lado positivo foi o respaldo dos alunos e colegas. Confira:

Minha história tem dois anos de luta…

Ao passar no “ProfLetras”, um programa que tem objetivo capacitar e ampliar a formação dos professores do ensino fundamental da rede pública, necessitava de adequação de horário para conseguir cursar as disciplinas, uma vez que foi iniciado com o ano letivo em andamento e assim, ao procurar a coordenação da rede em que leciono, começaram os transtornos.

Expliquei a importância do mestrado por justamente estar voltado para o ensino fundamental e a melhoria da educação no país, mas o que ouvi foram palavras de desânimo e sobretudo, para que desistisse pois seria impossível adequar o horário.
Como poderia desistir?! É tão difícil ser aprovada numa seleção de mestrado justamente pela concorrência e mesmo assim, pediam que adiasse meu objetivo?!
A partir daí comecei a ser monitorada, ligações para escola para saber se eu estava em sala de aula e sim, eu estava. Meus pedidos foram todos negados, mesmo com a intervenção do coordenador do mestrado.

Senti desânimo e minha saúde mental era minada pouco a pouco, mas ao conversar com meus alunos e colegas, comecei a adiantar as disciplinas e explicações durante algumas aulas e em semanas alternadas, deixava atividades de fixação que amigos me auxiliavam na aplicação. E assim, levei aos trancos e barrancos até a adequação do meu horário, quase ao final do curso.

Atualmente estou na fase de término da dissertação para enfim, realizar a defesa  e sei que os grandes incentivadores não foram aqueles que ocupam cargos de confiança e estão nas coordenações de rede, eles vieram do mesmo lugar onde todos os dias travamos uma batalha pela educação: a sala de aula. Seja por meio dos amigos que enfrentam os mesmos problemas, seja pelos nossos alunos, tantas vezes vistos como seres invisíveis de todo um sistema.

Peço que meu relato seja anônimo devido as retaliações, mas confio que, daqui um tempo, a educação seja mais do que um veio de luta pelo futuro, seja enfim, uma verdade reconhecida e respeitada.

Participe. Conte a sua história e divida suas experiências com outros profissionais que passam pelas mesmas dificuldades. Mande seu relato para o email do bloghistoria.hoje@bol.com.br .

leitora

“A Leitora”, de Jean Honoré Fragonard.

2 Comentários

  1. Andrade 23 de Maio de 2015
  2. Alessandra Junho Gama Belo 1 de Maio de 2015

Deixe uma resposta