“Leopoldina e D. Pedro I – a vida privada na corte”

    Chegou a vez dos paulistas se agitarem e, em agosto, lá se vai Pedro a ver se os acalma, como acalmara os mineiros. Outra vez na Regência, cabe a Leopoldina, iniciando mais uma gravidez, receber nova intimação para a volta de Pedro e para que seja preso José Bonifácio. E informações de que, na Assembleia, em Lisboa, propõe-se que Pedro seja deserdado, e Miguel declarado herdeiro do trono. E um aviso de que os portugueses haviam acabado de tomar a Bahia. 
    Diante da gravidade dos fatos, no dia 2 de setembro, ela convoca o Conselho. A opinião é unânime, impossível contemporizar mais um dia sequer. É redigida uma resposta às Cortes, que deve ser sancionada pelo príncipe antes de ser enviada, declarando separados os reinos. Um mensageiro é chamado. Arrebente quantos cavalos forem necessários, mas faça chegar às mãos de D. Pedro, no menor tempo possível, o despacho das Cortes, junto com a resposta sugerida pelos conselheiros brasileiros, para que ele a devolva assinada.
Leopoldina manda junto uma carta, que submete à aprovação de Andrada:

    Pedro, o Brasil está como um vulcão. As Cortes ordenam vossa partida imediatamente, ameaçam-vos e humilham-vos. Meu coração de mulher e de esposa prevê desgraças se partirmos agora para Lisboa… O rei e a rainha de Portugal não são mais reis, não governam mais… o Brasil será em vossas mãos um grande país, o Brasil vos quer para seu monarca. Com o vosso apoio ou sem o vosso apoio ele fará sua separação. O pomo está maduro, colhei-o já, senão apodrece.

    José Bonifácio murmura: 
– Ah, se ele fosse ela… 
Pede permissão para acrescentar algumas linhas.

    Aconselho Vossa Alteza que fique e faça do Brasil um reino feliz e separado de Portugal, que é hoje escravo das Cortes despóticas. Senhor, ninguém mais que vossa esposa deseja vossa felicidade, e ela vos diz, em carta que será entregue com esta, que Vossa Alteza deve ficar. Se não ficar, correrão rios de sangue nesta grande e nobre terra, tão querida de vosso real pai, que já não governa em Portugal.

    Parte o mensageiro, nada há a fazer, senão suportar com paciência a longa espera. Mal parando para dormir, Leopoldina calcula, trocando cavalos com frequência, no mínimo uns seis dias, até que as cartas cheguem ao destino, outros tantos para vir a resposta.

Trecho do livro “Leopoldina e Pedro I – a vida privada na corte”, de Sonia Sant’Anna, em reedição pela Ibis Libris Editora.

Ver mais  Cachorras ou princesas?

Lançamento na Primavera Literária, nos Jardins do Palácio do Catete, dia 20 de outubro. Em pré-venda na loja virtual da Ibis Libris: https://ibislibris.loja2.com.br/8307342-Leopoldina-e-Pedro-I

 

One Response

  1. fernando barbosa de mello

Deixe uma resposta