As mulheres no automobilismo

Por Luiz Alberto Pandini.

Maria Teresa de Filippis, a primeira mulher a participar de uma corrida de Fórmula 1, morreu no sábado, 9 de janeiro, aos 89 anos. As causas não foram reveladas.

Maria-Teresa-de-Filippis_anos 50

     Seu primeiro esporte foi a equitação. O automobilismo surgiu por acaso em sua vida. Ela tinha 22 anos quando seus irmãos decidiram provocá-la e dizer que ela não conseguiria ser mais rápida que os homens em uma prova de subida de montanha. Maria Teresa se inscreveu e venceu. Mais tarde, tornou-se vice-campeã italiana de carros de turismo.

Em 1958, Maria Teresa participou de três Grandes Prêmios com um Maserati, tendo um 10° lugar na Bélgica como melhor resultado. Nesse mesmo ano, ela foi alvo de uma das mais conhecidas manifestações de machismo da história do automobilismo: teve recusada sua inscrição para o GP da França. O diretor de prova, Toto Roche, alegou que o único capacete que “uma mulher tão bonita” deveria usar era “o do salão de cabeleireiro”. Maria Teresa ficou furiosa, brigou, mas não conseguiu reverter a decisão.

Maria Teresa de Filippis parou de correr em 1959, após a morte do piloto francês Jean Behra em um acidente. Behra, seu amigo, era também o dono da equipe pela qual Maria Teresa fez sua última tentativa de correr em um GP de F1 (em Mônaco, onde não se classificou para a largada). Em 1979, após vinte anos nos quais se dedicou à sua família, Maria Teresa voltou a frequentar o ambiente das corridas como integrante do Clube Internacional de Ex-Pilotos de Fórmula 1. Até recentemente, participava de eventos de carros históricos, eventualmente dirigindo a Maserati com a qual correu. Sobre ela, foi escrito um livro, “Signorina F1”, do jornalista italiano Cesare de Agostini.

Ver mais  Amores de casa, amores da rua

Depois de Maria Teresa, somente uma mulher disputou GPs de Fórmula 1: a também italiana Lella Lombardi (26/03/1941-03/03/1992), em 1975 e 1976. Lella terminou em sexto lugar no GP da Espanha de 1975, até hoje o melhor resultado de uma mulher em uma prova do Campeonato Mundial de F1. Outras três fizeram tentativas, mas não se classificaram para a largada nos poucos GPs nos quais se inscreveram: a inglesa Divina Galica (em três corridas, entre 1976 e 1978), a sul-africana Desirée Wilson (apenas uma vez, em 1980) e a italiana Giovanna Amati (três GPs, em 1992).

Estas cinco são as únicas mulheres que compõem o total de 988 pilotos que estiveram inscritos em pelo menos um GP válido pelo campeonato mundial de F1 desde seu início, em 1950. Em outras categorias, a proporção é semelhante. Isso torna ainda mais notáveis as vitórias conquistadas pelas mulheres no automobilismo. Entre as mais bem sucedidas, estão a francesa Michele Mouton (vice-campeã mundial de rali em 1982), a alemã Jutta Kleinschmidt (vencedora do Rali Paris-Dakar em 2001) e a estadunidense Danica Patrick (única mulher a vencer uma corrida na Fórmula Indy).

Maria Teresa de filippis 2006

Maria Teresa em 2006, e acima, em uma foto dos anos 50.

Luiz Alberto Pandini, jornalista, é titular do blog PandiniGP.wordpress.com, especializado em esportes a motor.

Deixe uma resposta