“O Cozinheiro Imperial”- o primeiro livro de culinária brasileira, em versão digitalizada

“O Cozinheiro Imperial” foi uma importante publicação brasileira do século XIX, que alcançou um sucesso notório pelas sucessivas edições. O Museu Imperial torna acessíveis dois exemplares dessa publicação, registrando a primeira edição, no exemplar reimpresso em 1840 e a terceira edição, de 1852.

Considerado o primeiro livro de culinária brasileiro, teve sua primeira edição em 1840, sendo reeditado por várias vezes ao longo da segunda metade do século XIX. A publicação, na verdade, constitui uma compilação de dois livros de receitas portugueses, editados nos séculos XVII e XVIII. A apresentação das receitas buscou seguir a ordem de serviço dos pratos à mesa. Dessa maneira, aparecem primeiro as sopas, depois as carnes, aves, peixes e doces. Há, nessas publicações uma grande variedade de receitas que podiam ser servidas em diversas ocasiões.

Seu título original registra a variedade de receitas encontradas na publicação:Cozinheiro Imperial ou Nova Arte do cozinheiro e do copeiro em todos os seus ramos contendo as mais modernas e exquisitas receitas para com perfeição e delicadeza se prepararem differentes sopas e variadíssimos manjares de carne de vacca, vitella, carneiro, porco e veado; de caris, vatapás, carurus, angus, moquecas, e diversos quitutes de gosto exquisito; de aves, peixes, marisco, legumes, ovos, leite; o modo de fazer massas e doces.

Confira no link abaixo:

http://zip.net/bsqVjK

Fonte: Projeto DAMI – Museu Imperial

banquettdami

18 Comentários

  1. Wanderson 1 de dezembro de 2019
  2. soares 6 de julho de 2019
  3. Vera Silva 9 de fevereiro de 2019
  4. Ézio Carlos Costa 11 de fevereiro de 2016
    • Ana Maria Rangel 6 de abril de 2019
  5. Gabriela 26 de agosto de 2015
  6. gustavo 26 de agosto de 2015
  7. yuri ferreira 25 de agosto de 2015
  8. Lilian Carla 20 de março de 2015
    • usina 21 de março de 2015
    • miguel 24 de março de 2015
      • Lilian Carla 24 de março de 2015
    • Ézio Carlos Costa 4 de setembro de 2015
  9. juliana melo 12 de março de 2015
  10. Helena Quintana Minchin 12 de março de 2015

Deixe uma resposta