Mitos de criação e escolas iniciáticas no Egito Antigo

O passado do Egito foi constantemente representado nestes últimos dois séculos, criando um imaginário que quase sempre nos remete a lugares-comuns facilmente associáveis a tais representações. Dos faraós autoritários à profanação das múmias, passando pela construção de um império às custas da escravização do povo hebreu e pelas impressionantes edificações como as pirâmides – que se tornaram ícones de especulações sobre a inacreditável capacidade intelectual desse povo que emergiu do “obscurantismo pré-histórico” tornando-se “o Berço das Civilizações Ocidentais”, – o Egito Antigo adquiriu um caráter quase lendário para o Ocidente, seja via religião, mídia e/ou círculos intelectuais. Esse maravilhar, despertado desde sua “redescoberta” pela tropa intelectual napoleônica, tem em grande parte fundamento na própria capacidade organizativa e grande longevidade das instituições faraônicas, edificadas sobre uma sólida estrutura sociopolítica calcada em uma coerente e peculiar visão de mundo.

Tal visão de mundo se revela por meio do mito, cujos templos foram os grandes baluartes de um complexo e riquíssimo conhecimento acumulado e perpetuado ao longo de muitos séculos. O curso “Mitos de criação e escolas iniciáticas no Egito Antigo”, orientado tanto para o público leigo como para o já iniciado na temática, tem como proposta apresentar o universo templário egípcio em sua diversidade de funções, e as mitologias referentes a três grandes centros cúlticos – Hermópolis, Heliópolis e Mênfis – , com ênfase nos mitos genesíacos a eles referentes.

 

 

2 Comentários

  1. Giselle 23 de outubro de 2018
    • Márcia 24 de outubro de 2018

Deixe uma resposta