Domitila: o lado desconhecido da Marquesa de Santos

Por Paulo Rezzutti.

Em meados da década de 1990, tive meu primeiro contato com Domitila de Castro Canto e Melo,a Marquesa de Santos (1797-1867). Estava no penúltimo semestre de Arquitetura e precisava estudar algum imóvel recém-restaurado no centro de São Paulo. O Solar da Marquesa, no Pátio do Colégio, era perfeito. Depois soube que ela havia morrido em São Paulo e que seu túmulo era um dos mais visitados no Cemitério da Consolação, onde, até hoje, aparecem mulheres misteriosas orando e deixando flores.

Santa ou prostitua? Amante do primeiro imperador brasileiro e algoz da primeira imperatriz ou mãe de família respeitável e dama benfeitora da sociedade? As diversas facetas dessa rica personagem começaram a surgir à medida que pesquisava, quando aparecia alguma oportunidade, sobre ela. Em 2007, enquanto lia sobre a história de São Paulo na segunda metade do século XIX para contextualizar um romance até hoje inacabado, a figura da Marquesa aparecia em todos os lugares: nas festas da Faculdade de Direito de São Paulo, no meio da Revolução de 1842, nas doações para a construção da primeira sede própria da Santa Casa de Misericórdia e em dezenas de outros lugares que eu nunca havia suspeitado. Essa Domitila de Castro parecia ter pouca, ou nenhuma, relação com a mulher que fora feita Marquesa de Santos por D. Pedro I em 1825.

Ver mais  A Maçonaria e a Independência do Brasil

Inicialmente, imaginei escrever somente sobre a vida de Domitila em São Paulo. A história começaria com o término de seu relacionamento com o imperador D. Pedro I e seguiria até sua morte, passando pelo segundo casamento, com o Brigadeiro Tobias de Aguiar, e outras passagens pouco conhecidas de sua rica história. Porém, pois sempre existe um porém, o destino preparou-me um peça. No meio das pesquisas, encontrei em Nova York, na Hispanic Society of America, 94 cartas inéditas de D. Pedro I para ela. Essas missivas estavam desparecidas desde o final do século XIX, quando uma descendente da Marquesa as vendeu para um antiquário em Paris. Ninguém as havia estudado até então. Essa descoberta tornou impossível não estudar a fundo seu relacionamento com o imperador, os filhos que teve com ele, sua relação com a política nacional e internacional na época. As pesquisas para a biografia foram interrompidas, e dediquei-me a escrever o Titília e o Demonão. Cartas Inéditas de D. Pedro I à Marquesa de Santos.

Após o lançamento do Titília, mergulhei em diversos outros arquivos, como o da Biblioteca Nacional e o do Museu Imperial, além de diversos outros em Brasil, Estados Unidos, Alemanha e Portugal. A análise, até então inédita, da correspondência dos embaixadores estrangeiros creditados no Rio de Janeiro no período de 1822 a 1829 foi importante para traçar até que ponto Domitila usou de seu relacionamento com D. Pedro para conseguir favores para si e para os seus. Seu lendário tráfico de influência é fartamente analisado em Domitila, a verdadeira história da Marquesa de Santos, no qual também aparecem algumas descobertas interessantes, como a de que nem a imperatriz D. Leopoldina escapava de conseguir dinheiro traficando favores dentro da Corte.

Ver mais  A proclamação de Independência

No meio do trabalho de transformar em texto mais de quatro anos de pesquisa para a biografia, nova peça do destino. Uma amiga em comum apresentou-me à arqueóloga Valdirene do Carmo Ambiel, a duas semanas de ela começar a exumar os restos mortais dos primeiros imperadores brasileiros. Acabei sendo convidado pela arqueóloga a integrar a equipe multidisciplinar dela, como consultor a respeito do Primeiro Reinado. Com isso, a obra é o primeiro livro publicado a conter informações inéditas dos primeiros imperadores, tais como seus aspectos físicos e curiosidades a respeito das exumações e da morte deles, principalmente a causa mortis de D. Leopoldina. Como participei de todas as exumações, também é o primeiro relato de uma testemunha ocular do trabalho realizado.

A biografia revela uma mulher bastante pragmática, uma sobrevivente. De vítima de violência doméstica, numa época em que a mulher era propriedade do marido, Domitila transformou-se na favorita do primeiro imperador brasileiro. Expulsa da corte após sete anos de relacionamento, retornou a São Paulo, sua cidade natal, e reconstruiu sua vida. Após a renúncia de d. Pedro e a complicada fase das regências, passou a ser atacada diretamente na imprensa nacional como um ícone nefasto do Primeiro Reinado e logo arrumou como protetor nada menos que o primeiro paulista a ser governador de São Paulo, Tobias de Aguiar, com quem teve seis filhos.

Ao contrário das biografias padrão, essa extrapola a morte da biografada e mostra como sua figura, suas qualidades e defeitos, deram origem a diversos mitos e como ela foi apresentada pela cultura nacional, e até internacional, por meio de produtos como filmes, esmaltes, literatura, música etc. Também a voz do povo é escutada nessa obra e revela o quanto a mítica relação amorosa entre ela e D. Pedro ainda divide o Brasil entre marquesistas e antimarquesistas.

Ver mais  Triste e desleixada, Leopoldina se torna alvo de maledicências

Bibliografia:

– Rezzutti, Paulo. “Domitila, a verdadeira história da Marquesa de Santos”, Geração Editorial, 2013.

– Idem. “Titília e o Demonão: cartas inéditas de D. Pedro I à Marquesa de Santos”. Geração Editorial, 2011.

domitila

Domitila: a Marquesa de Santos.

9 Comments

  1. JOURDAN NORTON WELLINGTON DE BARROS AMORA
  2. Thais
  3. Viviane Carlos Pereira Carlos pereira
  4. Jeane
  5. gilberto nascimento
  6. Tata
  7. MARILENE CRISTINA GOMES
  8. Renato Veiga

Leave a Reply