Socialismo e Espiritismo: relações insuspeitas

Publicado em 22 de novembro de 2014 por - História do Brasil

Impregnado das ideias de progresso  e evolução, características do período  em que viveu, Kardec afirmava que Deus criara o mundo  com dois elementos:  espírito  e matéria,  ambos regidos por uma lei natural que os empurrava em direção  ao progresso.  Originalmente simples e ignorantes, os espíritos evoluíam, através de seu esforço e trabalho, no sentido de um aperfeiçoamento.

Seleção  natural e  competitividade  na  evolução   dos  espíritos? Não.  Mas  eles eram,  sim, diferentes.  Podiam  ser “imperfeitos, bons e, no alto da escala, puros”. Os planetas  também  evoluíam, passando de mundos  imperfeitos  a regenerados e bons.  E sua evolução  se integrava  à dos espíritos.  Não  por  acaso,  espiritismo,  evolucionismo  e socialismo utópico  eram ideias que se hidratavam mutuamente. Pierre Leroux, socialista francês, afirmava, por exemplo, que as diversidades sociais eram explicadas  pelo desenvolvimento humano realizado  através da existência.  No fundo, a caminhada para  um mundo  mais justo e fraterno estava na ordem do dia aqui ou no além. E os veículos para chegar lá seriam a evolução moral, a educação  e a caridade.

Não  eram  somente  os franceses  que teriam  influenciado os espíritas brasileiros. No mundo  anglo-saxão, muita coisa acontecia com reflexos ao sul do continente. Tal como no Brasil, onde a doutrina floresceu  entre  católicos,  lá ela crescia  entre  protestantes. A Guerra Civil americana funcionou como um rastilho  de pólvora: famílias que viam seus filhos partir  e que, através  de fotos da imprensa,  constatavam que eles haviam  morrido de forma  atroz,  queriam  se comunicar com seus entes queridos.

Na própria Casa Branca, a mulher do então presidente Abraham Lincoln, Mary Abbot,  chorava  o filho falecido  no campo  de batalha em sessões assistidas pelo  marido. Juntou-se  a isso a luta  de socialistas  e cooperativistas ingleses, como  o líder  Robert  Owen,  recentemente  convertido. Nos  primórdios do socialismo, confiava-se num novo princípio de organização social que incluía a regeneração de tipo religioso.  Todos  acreditavam na  evolução  dos  seres humanos e dos sistemas  econômicos  e políticos  rumo  a um mundo  mais justo e melhor. Foi essa a época  das grandes  rebeliões operárias sobre as quais o espiritismo  tinha um efeito moralizante e era apresentado como um antídoto às paixões revolucionárias.

Kardec socialista? Não exatamente. A leitura de Fourier, o grande defensor  do cooperativismo, não  faria  dele um homem  de esquerda. Mas sim alguém profundamente interessado em reformas de educação ou que sugeria, em lugar de tribunais de justiça, instâncias  que “encorajassem  o bem”.  Em ambos  os lados do Atlântico  Norte, o espiritismo se associou  à luta pelo divórcio,  pelo fim da escravidão  e da pena de morte  e pelos direitos  da mulher  – “a  inteligência  não tem sexo”, dizia Kardec.

Depois de proclamada a República, o espiritismo consolidou uma doutrina de caridade  e auxílio  aos pobres,  substituindo a filantropia das elites católicas. Em 1880, no Nordeste, já circulavam  folhas como a Revista  Mensal,  de postura profundamente anticlerical,  enquanto o militar  Manuel  Vianna  de Carvalho, maçom  e espírita,  convocava para  debates  sobre  um socialismo  harmônico e pacífico. No  Sul, em Curitiba, o maçom Dario Vellozo fundou  uma “Igreja Pitagórica”, com mensagens éticas e discursos cosmológicos  pregando uma aliança entre Ocidente  e Oriente  e misturando teosofia, kardecismo e ocultis- mo. E, no Rio Grande do Sul, nascia o evidentismo, doutrina instituída por um libanês, Abílio de Nequete,  que unia elementos  cristãos,  kardecistas, bolcheviques  e tecnocratas. Muitos  militantes  do movimento operário gaúcho  eram  espíritas.  Em São Paulo, o anarquista Edgard Leuenroth juntou-se  ao maçom  Benjamim Mota  para  fundar  a Folha do Povo: “tribuna de livre discussão, para uma investigação sincera da verdade […] eco às aspirações  de nosso tempo”. Já O Livre Pensador, jornal dirigido por Everardo  Dias, maçom, anarquista e espiritualista, se concentrava em defender  o espiritualismo e doutrinas afins. Com o jornal  A Lanterna,  Mota  foi mais fundo  e atacava  sem dó a Igreja Católica,  por sua hipocrisia  e exploração da ignorância.

A confissão?  Absurda  e perigosa.  Os jesuítas?  Associados  à Inquisição,  eram  sinônimo  de atraso  máximo.  Só a educação  salvaria, somada à moralidade pública, ao trabalho e à ética de igualdade. Também na capital  paulista, fundavam-se lojas esotéricas  e centros  espiritualistas que mantinham contato com correspondentes estrangeiros para  o  estudo  do  magnetismo, ocultismo,  psiquismo  e espiritismo. Butiques  importavam livros, manuais  e objetos  mágicos,  bem como divulgavam  conhecimentos de astrologia e clarividência.

À medida  que o século XIX estertorava, as escolas de Direito  e Engenharia formavam profissionais  que tinham  para  o país projetos sociais em que não  mais cabia  a influência  da Igreja. Ao defender  a separação oficial entre Estado  e Igreja, a Constituição de 1891 abriu espaço para  ataques  a Roma e à propalada “infalibilidade papal”.

Deu-se um caldo: tanto  o fantástico na literatura quanto as tendências  baseadas no  kardecismo, no  espiritualismo, no  socialismo, no  anarquismo, na  maçonaria, no  racionalismo  e  no  positivismo buscavam  redefinir  o mundo. Procuravam ir em busca  do novo. Ao imaginário “católico”, rural  e monarquista, opunham-se ideias que remetiam  ao urbano, à República, ao futuro  e ao progresso.  Combinação de razão e de paixão,  de sonho e realidade, de ciência e crenças, de esperanças  e medos, de maravilhas e técnicas, elas, as novas ideias, hidrataram o novo século junto com a Belle Époque.

– Mary del Priore (baseado em “Do Outro Lado – a História do Sobrenatural e do Espiritismo”).

allankardec

 

Kardec estava longe de ser um socialista, mas acreditava na evolução da Humanidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 Comentários

  1. MARIA CARMEM CORTES MAGALHAES disse:

    Bom Dia!
    Acompanho produção literária intelectual de Mary há tempos, considerando minha formação em história política do Brasil/memória e história/ oralidade/ históara das mentalidades/ social e institucional pois estou na Universidade Católica de Brasília e há 13 anos coordeno a História e Memória UCB. No entanto o que mais me encantou nos quatro últimos dias foram as leituras feitas na obra: DO OUTRO LADO – A história do sobrenatural e do espiritismo. Uma identificação tamanha que me emocionou enquanto cientista social e buscadora das vidas do outro lado da história e da vida.
    Quero me colocar á disposição para qualquer equipe de pesquisa que a professora Mary estiver realizando e necessitar da mínima colaboração possível. Como espiritualista/espiritista quero pensar a fazer de boa vontade o que de graça recebi.
    Obrigada,
    Profª Maria Carmem
    Maria Carmem Côrtes Magalhães
    Secretaria Geral – Memória e História da UCB
    Docência Graduação UCB Virtual
    Bloco B – sala 05/06
    Tel: 3356 -9424
    mcarmem@ucb.br

  2. Joaquim Fernndes disse:

    Apreciei muito esta sua reflexão, que é inédita nesta área problemática cultural. Gostaria de a citar numa obra que estou a escrever sobre o Espiritismo em Portugal em 1900. De que forma posso citar o seu texto? Têm algum outra bibliografia publicada? Muito obrigado.
    Cordiais cumprimentos,
    Joaquim Fernandes, PhD
    Rua Francisco Sena Esteves, 22, 3º Dtº Tras.
    4200-604 Porto
    Portugal

    jfernan@ufp.edu.pt
    fernandesjoaquim46@gmail.com

    Telf.228317397
    Tlm. 917338986

    CTEC Board – Centro Transdisciplinar de Estudos da Consciência
    Universidade Fernando Pessoa
    Praça 9 de Abril, 349
    4249-004 Porto

  3. Sandra disse:

    Gostei muito,do conteúdo.

Deixe o seu comentário!