Resultado do desafio: ganhe um exemplar autografado de “O Castelo de Papel”

Publicado em 3 de fevereiro de 2014 por - História do Brasil

Gostaríamos de agradecer todos que participaram do nosso desafio cultural. Recebemos muitos trabalhos interessantes e criativos. A escolha foi difícil…Mas, o vencedor é Maurício Torres de Assunção, cujo texto está publicado a seguir – lembrem-se de que se trata de um exercício de ficção. Parabéns ao ganhador e a todos os participantes.

Como teria sido se a princesa Isabel tivesse assumido o trono, após a morte do pai, D. Pedro II? 

“Com um lenço de seda, Isabel enxugou as lágrimas, misturadas ao suor que lhe escorria pelo pescoço. Naquele janeiro de 1894, os termômetros no Rio de Janeiro marcavam quarenta graus centígrados. No Paço Imperial, abafado pela presença de centenas de políticos, autoridades e dignitários estrangeiros, Isabel assistia emocionada à coroação de D. Pedro III. Sim, seu filho mais velho, o menino acanhado, que demorara a dar sinais de inteligência, tornava-se, finalmente, o novo Imperador do Brasil. Que orgulho, que felicidade explodia agora naquele peito de mãe, depois de tantas provações, tanta discórdia e sofrimento, que por pouco não levaram o país ao caos republicano. Desde a morte de seu pai, havia pouco mais de dois anos, o país passava por um doloroso processo de autoquestionamento. Procurada por Floriano, Isabel concordara com a dissolução do parlamento liderado pelo visconde de Ouro Preto. Convocara novas eleições, ainda que temesse a vitória do Partido Republicano Paulista. Ganharam, mas não levaram. Aos fazendeiros faltavam a força e o consenso necessários para decretar o fim da monarquia. Não suportando a pressão da bancada cafeeira, Isabel retirou-se em Petrópolis. Buscava apoio em sua fé. Gastão, por sua vez, aconselhava-a sem jamais tomar as rédeas da situação. No chuvoso inverno de 1892, quando Petrópolis se derretia em lama, Isabel, finalmente, tomou sua decisão. Abdicaria, sim, mas em favor de Pedro de Alcântara, que deveria ser coroado ao atingir a maioridade“. – Maurício Torres de Assunção

desafio

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 Comentários

  1. Antonio Torres Xavier disse:

    Ótimo primo muito legal , gostamos, só não sei se seria bom . Porém como está não é nenhuma maravilha .abr,

  2. Léa de Camargo Neves disse:

    Que texto bacana, parabéns, Maurício, e a vocês também, meninas, que bolaram esse belo exercício de criatividade e redação!!

  3. Andrew Amaral disse:

    Até na ficção prevaleceu a profecia de que “o reinado de Isabel não é coisa deste mundo”.
    Parabéns a perspicácia do autor que não negligenciou o fato de que um III Reinado feminino era pouco provável para o Brasil de então.

  4. José Alexandre Barbosa da Silva disse:

    Parabéns mais uma vez, pela excelente narrativa e por sua onipresente criatividade.

  5. Jeferson Augusto da Cruz disse:

    Perfeito, gostei mesmo. Fico pensando qual seria os rumos do Império se isso de fato tivesse ocorrido.Usemos a imaginação histórica. Parabéns Maurício!

  6. Belo texto, Maurício. Bem construído. Poderia ter sido esta a realidade. Prêmio merecido. Parabéns!

Deixe o seu comentário!