Projeto prevê digitalização, catalogação e publicação de 4,5 mil ilustrações de grandes cartunistas brasileiros

Publicado em 12 de maio de 2016 por - artigos

    O objetivo é a conservação e o acesso a ilustrações do movimento sindical brasileiro, feitas por artistas como Laerte, Glauco, Jaime Leão, Henfil, Chico Caruso, entre outros.

         A 17ª edição do Rumos, programa do Itaú destinado para fomento da produção artística, anunciou, dia 9 de maio de 2016, os 117 aprovados deste ano. Um deles, “Traços da Resistência: organização e disponibilização das ilustrações da Oboré Editora” propõe a preservação, a digitalização, a catalogação e a publicação de 4,5 mil ilustrações de artistas que contribuíram para a Oboré Editora. O acervo será disponibilizado para consulta no Centro de Documentação e Memória (CEDEM) da Unesp.
O objetivo é realizar a conservação preventiva e de proporcionar ao público acesso a um amplo acervo de ilustrações produzidas por artistas como Laerte, Glauco, Henfil, Chico Caruso, Fortuna, Jaime Leão e Gilberto Maringoni, entre muitos outros de extrema importância para a história do movimento sindical brasileiro.Trata-se de um material inédito, em grande parte composto por desenhos originais, algumas reproduções e também esboços, sobretudo da artista Laerte Coutinho.

          O projeto visa a conservação preventiva de ilustrações produzidas ao longo das décadas de 1970 e 1980, no total de aproximadamente 4.500 itens, acondicionados provisoriamente em sete caixas arquivo de papelão e 18 pastas que incluem charges, tirinhas, histórias em quadrinhos, vinhetas de divulgação e caricaturas.
A riqueza e potencialidade de pesquisa deste acervo incluem uma visão diferenciada da história política do Brasil, principalmente da resistência à ditadura civil-militar por meio de uma imprensa alternativa e combativa que contribuiu para a formação política de movimentos sociais ligados a setores importantes do mundo do trabalho. As principais ações a serem realizadas pelo projeto são identificação dos documentos, ordenação dos originais, com inserção de Código Localizador em cada um dos itens documentais, higienização, desmetalização (retirada de grampos, clipes ou presilhas, que possam acelerar processo de deterioração), acondicionamento em invólucros especiais, registro das referências documentais e elaboração de catálogo impresso.

O acervo, sob custódia do Cedem desde 2005, pertenceu originalmente à Oboré Editora que, nas décadas de 1970 a 1980, foi a principal empresa a elaborar e executar projetos da mídia impressa para diversas instituições do mundo do trabalho. Por sua iniciativa, por exemplo, foi criada, durante o 1º Encontro Paulista dos Profissionais da Comunicação Sindical, em 10 de setembro de 1991, a Hemeroteca Sindical Brasileira. A Hemeroteca tinha o objetivo de reunir periódicos, publicações e material informativo da imprensa sindical, produzidos pelos departamentos de imprensa das entidades sindicais, intersindicais e associações de classe de trabalhadores de todo o Brasil, contribuindo dessa maneira para a sua preservação.

O acervo inicial foi reunido junto a diversas entidades sindicais pelos alunos que cursaram a disciplina Jornalismo Sindical, na ECA/USP, sob orientação do professor Sérgio Gomes, entre 1986 e 1992. O acervo reúne ainda material doado pela própria editora e reunido com os participantes dos Encontros Brasileiros de Profissionais da Comunicação Sindical (1986, 1987 e 1989) e dos Encontros Paulistas de Profissionais da Comunicação Sindical (1991, 1992 e 1993). Foi formado assim um acervo de matrizes, originais, material fotográfico e publicações periódicas diversas, como jornais, boletins, revistas, além de outros tipos como cartazes, adesivos e brindes ligados ao movimento sindical brasileiro, no total de aproximadamente 280 caixas arquivo.

Durante a década de 1990 e início dos anos 2000, a Oboré Editora administrou e preservou o acervo da Hemeroteca Sindical, juntamente com o acervo dos documentos produzidos em suas próprias atividades. Visando a preservação, organização e disponibilização deste importante acervo, a Editora decidiu deixar o acervo sob custódia do Cedem, para que os procedimentos técnicos da organização do ponto de vista arquivístico e de preservação fossem realizados e o acervo aberto à pesquisa pública. O projeto foca desenhos originais, reproduções e esboços desse rico acervo, integra-se à missão do Cedem de garantir, além da guarda, a democratização do acesso e a garantia da manutenção da integridade física dos documentos sob sua custódia.

FONTE: Cedem/Unesp.

Mais informações sobre a aprovação: http://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,rumos-anuncia-117-projetos-aprovados-para-o-programa-de-fomento,10000049982

laerte

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comentários

Deixe o seu comentário!