Pecaminosos pezinhos

Publicado em 17 de dezembro de 2013 por - História do Brasil

No Brasil, o século XX  trouxe um crescente esforço de urbanização e o fortalecimento de uma classe burguesa que alcançava o status antes restrito aos antigos donos de terras e fazendeiros. Paris era o centro do mundo para os ricos e famosos da época. Todo mundo queria ser chic e badalar à maneira parisiense. É claro que tal movimento ainda estava restrito às capitais mais desenvolvidas, como Rio de Janeiro e São Paulo. A moda acompanhou estes novos ideais da elite. Na virada do século, as saias se tornaram mais secas, reduzindo-se as armações de antigamente às anquinhas estrategicamente colocadas na parte de trás do corpo feminino. Caudas, sombrinhas, luvas e graciosos chapéus completavam o figurino.

No final dos anos 10, as barras sobem um pouquinho deixando os tornozelos das mais ousadas à mostra. As mais recatadas usavam botinas altas para resguardar este pedacinho das pernas. O mesmo movimento ocorre com os chapéus: rebuscados, grandes e cheios de enfeites no final do século XIX, tornam-se bem mais simples e discretos. O costume das luvas permanece. Enquanto a elite ostentava e imaginava estar na capital francesa, a maior parte da população das cidades vivia em condições precárias, em cortiços ou casas modestas. As senhoras, porém, faziam o que podiam para sair às ruas da melhor maneira possível.

Nos primórdios do século XX, rapazes e homens mais maduros se deliciavam ao observar as mulheres subindo nos bondes: neste momento não havia como impedí-los de ter a maravilhosa visão de um pedacinho de perna, logo acima dos tornozelos. Mariana Maluf e Maria Lúcia Mott, no artigo “Recônditos do Mundo Feminino” (em “História da Vida Privada no Brasil 3”) contam que os homens faziam verdadeiras acrobacias para apreciar tais momentos e ainda adoravam os dias de chuva porque as damas levantavam as saias para não molhá-las. Canelas e pés à mostra…Sinal dos tempos! Muitos devem ter torcido o nariz a essas modernidades que hoje consideramos inocentes traquinagens. Com a 1ª Guerra Mundial, as roupas se tornam mais práticas e há menos abundância de tecidos. As barras sobem e os decotes descem.

Toda a polêmica que as saias mais curtas causaram no século passado lembraram-me o antigo tabu português em relação aos pés. Até o século XVII, era proibido às mulheres portuguesas mostrar os pés (imaginem os tornozelos!), mesmo  para os mais íntimos. Era vergonhoso, indecente mesmo. Até que um dia, a rainha D. Maria Francisca de Saboia (1646-1683) – a francesa Isabel Nemours, que foi casada com o rei português D. Afonso VI e depois da morte deste, com o cunhado D. Pedro II – revelou um de seus reais pesinhos ao descer da carruagem. Disseram as más línguas da época foi possível até vislumbrar o tornozelo da rainha. Escândalo em Lisboa. A corte mais carola da Europa ficou indignada. Só mesmo uma francesa para achincalhar assim os costumes! Pouco tempo depois, porém, mostrar os pés virou moda entre a nobreza…As mulheres passaram a exibir descaradamente seus preciosos sapatinhos (bordados com ouro e prata, forrados de sedas e com pedras preciosas). Afinal, copiar a rainha era o máximo da elegância.

É verdade que a moda das saias mais curtas (entenda-se bem, apenas o suficiente para mostrar parte dos sapatos) logo caiu em desuso. No século XVIII, as saias-balão bem longas retornam à moda. Os pés voltam a ser pudicamente cobertos – mesmo quando os decotes desciam – tanto em Portugal, quanto no Brasil. A desconfiança dos portugueses em relação aos pés só vai desaparecer no final século XIX. Talvez por isso, tantas vozes conservadoras tenham se erguido no século passado contra a exibição dos inocentes tornozelos em terras brasileiras.

Sobre o assunto, vale lembrar o romance de José de Alencar, “A Pata da Gazela”, que narra as dificuldades de Horácio, um rapaz obcecado por pés femininos, que vivia em uma época de saias longuíssimas. A história é divertida e mostra bem os costumes da época, além de contar as desventuras e decepções pelas quais passa o pobre fetichista. – Márcia Pinna Raspanti

mariasaboia1romances início sec.XX1

 

Pés escandalosos: Maria Francisca de Saboia e as moças “modernas” do início do século passado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 Comentários

  1. teresa biase disse:

    vERDADE,OS PAIS DA MINHA GERAÇÃO NÃO DEIXAVAM AS FILHAS USAR SANDÁLIAS.Hoje,quando vejo muitas fotos de pés em paisagens,ainda estranho.Diziam que os homens “liam ” os pés e assim saberiam tudo das moças,imagine.

Deixe o seu comentário!