Palavras e expressões que ficaram no passado

Publicado em 2 de dezembro de 2017 por - artigos

   Você sabe o que significa fifós, cafunge, canada ou chaperon?  E hetaira e gigolete? Essas palavras faziam parte do vocabulário de nossos antepassados, mas hoje são pouco usadas. 

          No terceiro volume da série “Histórias da Gente Brasileira” (Editora LeYa, 2017), Mary del Priore aborda o período de 1889 a 1950. A autora utiliza as memórias de pessoas que viveram o período e deixaram registradas suas impressões: jornalistas, escritores, historiadores ou simples observadores da realidade que os cercava.

“A verdade da memória é singular, não é? Contar o passado significa remontar longe nos anos, atravessar fronteiras, deixar-se guiar pelo fluxo das imagens, das associações livres, dos vazios e reentrâncias esculpidas pelo tempo. A memória seleciona, elimina, exagera, minimiza, glorifica, denigre. Ela modela sua própria versão dos fatos, libera sua própria realidade. Heterogênea, mas, coerente. Imperfeita, mas sincera.

Pode uma vida contar a História? Quem recorda suas pequenas histórias, conta também a grande História? E nas que são relembradas, encontramos as marcas do passado, os fenômenos que se repetem, a permanência dos hábitos ou as rupturas com a tradição, assunto desse livro? O poeta diria que a memória é como a corrente, forte e maciça, que puxa do fundo do poço, o balde cheio de lembranças”, diz Mary del Priore.

 

         Além das histórias, contadas de forma pessoal por narradores como Zélia Gattai, Carolina Nabuco de Araújo, Nélson  Rodrigues, Coelho Neto, Lima Barreto e tantos outros, figuras conhecidas ou pessoas comuns, entramos em contato com um vocabulário já esquecido, cujo significado se tornou distante. Palavras que caíram em desuso, muitas vezes porque definiam práticas e objetos hoje obsoletos. No final da obra, há um rico glossário que ajuda o leitor a se aproximar um pouco mais do passado.

Vejamos alguns exemplos:

Aluá: Bebida refrigerante, feita de cascas de abacaxi, milho, pão ou farinha de arroz, açúcar e sumo de limão, preparada às vezes com fubá.

Atrabiliário: Pessoa que se enfurece facilmente.

Avoengas: herança dos antepassados

Bernarda: Revolta popular, insurreição; alvoroço, desordem, motim.

Busilis: Parte mais importante, mais central ou mais difícil de algo.

Cafunje: Moleque arteiro e ladrão.

Canada: Antiga medida de capacidade equivalente a quatro quartilhos ou a um litro e quatro decilitros.

Chaperon: Senhora mais velha que acompanhava jovens a eventos sociais para lhe dar proteção ou proibir comportamento inadequado.

Deriçando: Praticando a derriça, operação que consiste em envolver o ramo do cafeeiro com a mão e deslizá-lo de dentro para fora, pela parte que contém frutos, a fim de derrubá-los.

Fifós: Pequeno lampião a querosene; bibiano, periquito.

Gaforinha: Gaforina, cabelo desgrenhado ou em desalinho; grenha.

Gigoletes: Prostitutas.

Hetaira: Prostituta de luxo.

Jacá: Tipo de cesto de taquara ou de cipó, usado para transporte de mercadorias em lombo de animais.

Manauê: Espécie de bolo feito de fubá de milho e mel.

Mocambo: Habitação rústica e pobre, geralmente no meio do mato.

Pacholas: Pessoa brincalhona, gozadora; farsola, gozador.

Picula: Brincadeira infantil em que uma criança deve correr atrás de outras para pegá-las, antes que cheguem a um ponto onde terão imunidade; angapanga, pegador, pega-pega, pique.

Porrões: Potes ou vasilhas de barro, geralmente bojudas e de boca e fundo estreitos.

Pussanga: Puçanga, Medicamento caseiro.

Sentina: Lugar onde se ajuntam as imundícies; latrina.

Silhão: Sela grande, com um só estribo, montada por mulheres vestidas de saia.

Sorna: Que ou quem se faz de preguiçoso por astúcia.

Tamina: Vasilha com que se media a ração diária para os escravos; a própria ração.

Zuarte: Tecido de algodão, azul ou preto.

 

Habitação de Negros, de Johann Moritz Rugendas.

Habitação de Negros, de Johann Moritz Rugendas. Exemplo de mocambo: Habitação rústica e pobre, geralmente no meio do mato.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comentários

Deixe o seu comentário!