Os Crimes e a História do Brasil

Publicado em 24 de novembro de 2015 por - História do Brasil

           Problema insolúvel a ameaçar cada cidadão, a violência no Brasil é histórica. Além de histórica, onipresente, endêmica e isonômica: ela atinge a todos. Se, outrora, algumas correntes das ciências humanas admitiam que a história das sociedades seria aquela do lento, porém, irresistível progresso das formas de dominação da violência e da pacificação das relações, hoje, bem ao contrário, somos vítimas constantes de todo tipo de crimes odiosos. De maneira simbólica ou intencional, eles alimentam o sofrimento de milhares de vítimas. Eles fabricam o desamparo, a miséria e o sentimento de insegurança. Quem se sentiria protegido em sua comunidade, em qualquer tempo? Daí a importância deste livro, Os Crimes e a História do Brasil: Abordagens Possíveis, que nos obriga a olhar para trás e refletir sobre a ancestralidade das práticas criminosas.

Definida como o conjunto de atos ilegais, delituosos e criminais, cometidos em dada época e lugar, a criminalidade é a transgressão das normas jurídicas de um sistema social. E de uma forma ou de outra, elas foram sistematicamente quebradas, da Colônia aos Anos de Chumbo. Mostrar como e por quê, foi o desafio enfrentado pelos autores desta obra organizada por Gian Carlo de Melo Silva. Passeio no museu dos horrores, os capítulos se sucedem mostrando a que ponto a violência faz parte de nosso cotidiano. Da política à família, das prisões às telas de cinema ou TV, colhendo vítimas entre homens e mulheres de todas as idades e condições, ela está mais banalizada do que nunca.

No Brasil, desde sempre, a Justiça e a Segurança carecem de mecanismos eficientes, e o galopante número de casos de impunidade se soma a um sistema judiciário que inspira pouca ou nenhuma confiança. Também ao longo da história, observa-se que o crescimento econômico se deu de forma variável, de região para região e a falta de inserção no mercado de trabalho fabrica, até hoje, o que o historiador francês, Louis Chevalier, em outro contexto, chamou de “classes perigosas”. A urbanização rápida e o crescimento demográfico também tiveram sua parte neste amargo caldo, azedado pelo desfibramento dos laços comunitários, a redução dos espaços de cooperação, solidariedade e participação cidadã.

          Esse livro nos convida a ter coragem. Ter coragem pensar um tema que nos assola, persegue e atemoriza. E por quê? Pois a criminalidade e a violência limitam seriamente as capacidades e as liberdades dos cidadãos brasileiros, prisioneiros que todos somos de nosso próprio medo. Que esse livro possa nos ajudar a pensar e, sobretudo, a reagir. – Mary del Priore, historiadora.

         Os Crimes e a História do Brasil: Abordagens Possíveis cumpre um importante papel no conjunto da historiografia brasileira recente, a saber: dá corpo, forma e contexto ao fenômeno da violência na sociedade brasileira através do tempo. Acostumados que somos, muitas vezes, a reduzirmos o estudo da violência às cifras e estatísticas, o presente livro nos brinda com a humanização de fatos e personagens. Transformando a dor em narrativa, os autores aqui reunidos, costuram uma variedade de eventos e dramas marcados pelo signo da violência que apontam para os limites da longa travessia de constituição do chamado Estado de Direito entre nós. – Emerson Oliveira do Nascimento, cientista político.

gian crime

Os Crimes e a História do Brasil: Abordagens Possíveis, organização Gian Carlo de Melo Silva. Editora Edufal, 2015.

 Lançamento em 28 de novembro.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comentários

Deixe o seu comentário!