O imperador libertino

Publicado em 6 de setembro de 2014 por - Independência do Brasil

D. Pedro não escondeu de ninguém seus casos. Tampouco se importava em ser discreto em relação à própria esposa, a princesa Leopoldina Carolina, com quem casou em 1817. Segundo biógrafos, “seu apetite sexual” era insaciável. Ele não conhecia limites nem diante da família nem diante do marido da mulher desejada.  Não importava a condição social: mucamas, estrangeiras, criadas ou damas da Corte. O cônsul espanhol Delavat, no Rio, em 1826, acusava-o de ser “variável em suas conexões com o belo sexo”. E não hesitava em manter relações com várias mulheres de uma mesma família, como fez com a dançarina Noemi Thierry e sua irmã. Com poucos meses de casado,já estava enamorado de Noemi. Costumava visitar a moça na companhia da própria esposa, na casa de seu camareiro, D. Pedro Cauper. Enquanto as filhas de Cauper entretinham D. Leopoldina, D. Pedro escapava para algum canto com Noemi. Quando a esposa compreendeu a situação e queixou-se ao sogro, esse despachou Cauper e a família para Portugal. Noemi, grávida de seis meses, foi removida junto com o marido, um oficial, para Pernambuco.

O mesmo Delavat dizia sobre D. Pedro que tinha ele “um objeto distinto para cada semana, nenhuma consegui fixar sua inclinação”. Nenhuma até ir a São Paulo, em setembro de 1822 quando proclamou a Independência. Lá encontrou Domitila de Castro Canto e Mello. Tinha D. Pedro 24 e Domitila 25 anos. Belíssima? Não, exatamente. Certo pendor para a gordura, três partos, cicatrizes, um rosto fino e comprido, aceso pelo olhar moreno. Domitila era mãe de três filhos e acusada de adultério. Ela tomara uma facada do marido, certa manhã em que voltava, às escondidas, para casa. O fato era conhecido na cidade de São Paulo e manchava o nome da família.

Tinha início entre os dias 29 e 30 de agosto de 1822 uma aventura romanesca que marcaria a vida de D. Pedro. Este affair extravasou a alcova e refletiu-se, mais tarde, na vida política e familiar do Príncipe, bem como na imagem que dele se fazia dentro e fora do país.

Passado um ano, a data do primeiro encontro foi registrada pelo punho do próprio D. Pedro: “o dia 29 deste mês em que começaram nossas desgraças e desgostos em conseqüência de nos ajuntarmos pela primeira vez, então tão contentes, hoje, tão saudosos”. E em outra missiva fala do dia 30 como aquele em que “[…] comecei a ter amizade com você”. Logo após tornar-se imperador, d. Pedro deixa de lado a discrição, transformando Titília numa “teúda e manteúda” que é apresentada à Corte e instalada em casa, atual Museu do Primeiro Reinado, ao lado do Palácio de São Cristóvão, no Rio de Janeiro.

Em novembro de 1822, D. Pedro felicitava Domitila por “estar pejada” e anuncia-se “disposto a sacrifícios” para honrar os compromissos de pai. Mas a criança nasceu morta. Em 1824, vem ao mundo Isabel Maria de Alcântara Brasileira, apelidada “Belinha”. Em 12 de outubro de 1825, D. Pedro, já imperador, contempla a amante com o título de viscondessa, no mesmo ano em que nasce mais um filho do casal, Pedro de Alcântara Brasileiro. Em 1826, no dia do imperial aniversário, ela tornou-se a marquesa de Santos. Aconteceu então um fato documentado: tendo os diretores do teatro da Constituição recusado a entrada da marquesa numa das representações, sob pretexto de que sua conduta não era digna da boa sociedade, baixou-se ordem para que fossem fechadas as portas, e presos aqueles diretores. O imperador era um amante zeloso!

Amante, sim, e quanta paixão! Suas cartas não deixam mentir. São recheadas de suspiros e voluptuosidade: “Meu amor, meu tudo”, “meu amor, minha Titília”, “meu benzinho… vou aos seus pés”, “aceite o coração deste que é seu verdadeiro, fiel, constante, desvelado e agradecido amigo e amante”, rabiscava. E mais incisivo: “Forte gosto foi o de ontem à noite que tivemos. Ainda me parece que estou na obra. Que prazer!! Que consolação!!!”.   E depois, mortificado de ciúmes e suspeitas, perguntava, “será possível que estimes mais a alguém do que a mim?”. E assinava “seu Imperador”, “seu fogo foguinho”, “o Demonão”, quando não acrescia eroticamente, como se vê em carta no Museu Imperial, o desenho do real pênis ejaculando em louvor da amante.

O amor adúltero desenvolvia-se na frente de todos e dividia a Corte. Os irmãos Andrada, em particular José Bonifácio, reprovavam a atitude do jovem imperador, que consideravam comprometedora da imagem do novo Império no exterior. Ainda como viscondessa, Domitila foi elevada à dama camarista de dona Leopoldina e acompanhou o casal numa viagem de dois meses à Bahia. O secretário da imperatriz escreveu, em fevereiro de 1826, ao chanceler austríaco Klemens Wenzel von Metternich para reprovar a “fatal publicidade da ligação” com a marquesa de Santos, debitando-a à “resignação e introspecção” da princesa austríaca.

A possibilidade de d. Pedro I casar-se com a “Pompadour tropical” após a viuvez horrorizou a aristocracia europeia. A morte de dona Leopoldina, no final de 1826, aos 29 anos, obriga D. Pedro a tomar certos cuidados, pois não faltaram manifestações acusando Domitila de ter envenenado a imperatriz. A própria Leopoldina se queixara, em carta ao pai, que o marido a maltratava “na presença daquela que é causa de todas as minhas desgraças”. Insultos, ameaças, proibições de entrar no palácio e mesmo uma tentativa de linchamento revelam a reação dos moradores do Rio à presença da concubina.

Em 1827, já gozando de todas as prerrogativas de marquesa, Domitila recebe ainda a condecoração da Real Ordem de Santa Isabel de Portugal, além de conseguir títulos de nobreza para o restante da família. Tanto agrado deixou marcas e aguçou desafetos, dando munição aos que batiam-se pelo fim das honrarias. Os receios de um casamento da amante com o imperador se espalhavam. Metternich não escondia seu horror: “É inconcebível que o imperador pense em se casar com a senhora de Santos, pois seu marido é vivo”. Perigo havia, mas quando se alastraram notícias da busca de uma noiva para o imperador viúvo as cartas de amor que Domitila recebia mudaram de tom. Agora, D. Pedro falava em “gratidão e afeto particular” chamando-a de “minha amiga”. Grávida dele pela quarta vez do Imperador, percebe suas intenções quando ele pede que se distancie da Corte, com a promessa de uma pensão generosa. A “concubina e sua comitiva” – relatava Maréchall aos superiores austríacos, seriam afastados antes da chegada da nova esposa. A 13 de agosto de 1827, nascia no Rio de Janeiro, Maria Isabel de Alcântara Brasileira, a quarta filha do casal de amantes.

Assinado, em 1829, o contrato de casamento com a princesa alemã Amélia de Leutchemberg, segunda esposa de D. Pedro, pôs um fim ao caso.

Nessa época, ser libertino não significava apenas seduzir todas. Mas, sobretudo, não se deixar seduzir. E a lista de amantes do imperador é considerável, embora incompleta: Mariquita Cauper, filha do camareiro Pedro Cauper, Ana Rita, mulher de Plácido de Abreu, Joaquina ou Ludovina Avilez, esposa do general Jorge Avilez, Carmem Garcia, esposa do naturalista Bompland, Maria Joana, filha do capitão Ferreira Sodr;, Regina de Satourville, mulher de um ourives da Rua do Ouvidor; Carlota Ciríaco da Cunha, filha de um rico industrial, Clémence Saisset, mulher de um comerciante francês e outras como Joaninha Mosqueiro que lhe daria um filho, José, nascido em 1829; Luizinha Meneses, Andresa Santos, Gertrudes Meireles, Ana Sofia Steinhausen e Androsinda Carneiro Leão. Do serralho ainda constaram a viscondessa de Sorocaba, irmã da Marquesa de Santos, Maria Benedita Delfim Pereira, Luisa Clara de Meneses, mineira de Paracatu, mulher do general José Severino de Albuquerque, Heloísa Henri, mestra de dança francesa, mulher do Dr. Roque Schüh; as mães de Umbelino Alberto de Campo Limpo e de Teotônio Meireles, bem como a atriz Ludovina Soares.

Nenhuma se negava a D. Pedro I. Por ser rei e por ser fogoso.

– Mary del Priore.

D. PedroImarq.Santos 001

 

Escândalo: Domitila, a mais famosa conquista do imperador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 Comentários

  1. Eliane Fernandes Cabral disse:

    Excelente texto de Mary del Priore . A grande e vergonhosa (?) história do nosso primeiro Império nos traz à memória o passado que a mim faz até rir! Na época todo e qualquer império, mesmo na Europa aconteciam fatos parecidos. Imagino nessa colônia de além mar tudo que pode ter se passado…
    Julio sempre nos ponha em dia com esses textos que eu e a maioria estamos apreciando e tendo algo para ler!!!

    • marcia disse:

      Oi, Eliane. A nossa proposta é mostrar o lado mais humano – e muita vezes pitoresco – da História. D. Pedro I foi uma figura importantíssima para o Brasil e Portugal, e foi também cheio de contradições, como todos nós. Ele tinha esse lado libertino, que causava grande escândalo na época, fazendo do imperador alvo de muitas fofocas e maledicências. Tal face pessoal é interessante para entendermos melhor os valores e costumes da época. Obrigada por acompanhar nosso blog!

Deixe o seu comentário!