O futuro e o passado nas cartas

Publicado em 20 de março de 2015 por - História do Brasil

Em novembro de 1860, Madame Potier, ou Magdalena Victória Puisseaux Potier, a “mais antiga cartomante do Rio de Janeiro”, acabara de regressar de Paris, anunciava o Diário do Rio de Janeiro. Sim, pois sua instalação na Corte se dera em 1859. E avisava: colocava cartas como “fazia antigamente”. Desde então sucessivamente tivera salas na Rua do Cotovelo, Rua da Misericórdia e Rua São José. E a clientela não parava de crescer. Até 1874, sua propaganda era publicada em meio a anúncios de remédios para “cura radical de calos”, venda de ceroulas, pianos ou charutos. Para impressionar, por vezes se apresentava como “chiromante” ou vidente capaz de ler nas linhas da mão.

Os avisos vinham nas páginas dos jornais entre outras informações sobre as atividades da família imperial, concertos populares, reuniões de sociedades beneficentes e anúncios de crimes. “Madame Mery, perita nesta arte” oferecia serviços na Rua Sete de Setembro, 45, primeiro andar. “Rosália” o fazia na Rua do Hospício. Cartomantes estavam em toda a parte e eram abismos de silêncio e discrição.

Teriam sido introduzidos pelos ciganos cujas casas e serviços eram oferecidos no Campo de Aclamação? Em grupos de três ou quatro, as ciganas coloridas percorriam as ruas lendo o passado e o futuro nas cartas ou nas linhas da mão:

“- Dá para mim um moeda de dois tostões. Põe sorte para você. Dinheiro bendito. Santo do céu. Diz sorte de vida. Diz presente, passado, diz futuro. Boa sorte para você. Sua família. Bota primeiro sua dinheiro na minha mão”.

Dos sobrados, as meninas casadoiras desciam fazendo barulho com seus tamancos para ouvir que seus amados gostavam delas, elas gostavam deles, mas tinham outros que gostavam delas… E outras que gostavam deles e que, para casar, “põe outros dois tostões na minha mão”! As clientes vinham por dor ou por amor.

Traços da cartomancia se encontram desde o século XV, na Espanha, e XVI na Itália. Num famoso manual de confessores – livro que ensinava os padres a fazer perguntas aos pecadores -, de autoria de Martin de Azpicuelta Navarro, muito usado no Brasil desde 1540, há condenações à adivinhação com o jogo de cartas.

Ou a moda teria vindo da França? Ao final do século XVIII, cartomantes famosos publicavam seus livros na França. Magos misturavam a ciência das cartas com aquela dos números, da alta astrologia, dos gênios – uma espécie de demônios familiares protetores -, dos sonhos e dos talismãs.

Em 1790, enquanto a guilhotina da Revolução Francesa cortava cabeças e os filósofos do iluminismo anunciavam o tempo da razão, um célebre cartomante abria uma escola de magia em Paris. O educandário de adivinhações oferecia cursos gratuitos de onze às 13,30 horas nos dias 1, 10 e 20 de cada mês. Nas paredes de Paris, anúncios com o programa: “Aprofundar a arte, a ciência, a sabedoria para compreender os oráculos do livro de Thot”. O sucesso do curso foi total embora seu fundador se queixasse de alunos que constrangidos de aparecer publicamente, preferissem aulas particulares. Essa atitude lhe parecia tanto mais intolerável quanto a cartomancia era o máximo da educação. Um instrumento a conduzir os homens na conduta da vida. A mulher, mais sensível do que o homem às tribulações do destino, merecia ter melhor guia. Daí ele ter concebido o “Pequeno oráculo das damas”, capaz de responder “aos pequenos aborrecimentos e grandes esperanças”! Traduzido, seria vendido nas livrarias do Rio de Janeiro.

O livro de Thot fora composto por 17 magos egípcios com caracteres, ou melhor, hieróglifos que encerravam religião, adivinhação e medicina. Tomou o nome de Tharoth ou jogo real da vida humana, abreviado para Tarô.

Na França, as futuras vítimas da Revolução foram as primeiras a procurar as artes divinatórias. Então, dava as cartas, certa Madame Lenormand: famosíssima e conhecida como “a sibila do Faubourg Saint-Germain”! Até Maria Antonieta recebeu sua visita na prisão. Hébert, chefe dos jacobinos, também a consultava até sua morte ser decretada, em 1794, por Robespierre. Viagens de balão, mudanças na polícia e o destino de Marat, Saint-Just e Robespierre também foram anunciados pela cartomante.

Ela noticiou a Josefina, então, desconhecida Madame Bonaparte, que esta se tornaria imperatriz e, após a Revolução, acompanhou a ascensão de Napoleão, predisse suas vitórias e destino brilhante. O gabinete de Madame Lenormand à Rua de Tournon, número 5, em Paris, recheado de estátuas antigas e candelabros, era freqüentado por todo o Paris.

Em 1800, Napoleão quis conhecer o estado de “superstição” na França e em cada localidade representantes foram encarregados de anotar comportamentos “irracionais”. A enquete revelou que, em todas as classes sociais, nas cidades ou no campo, crendices estavam bem vivas. Magia, feitiçaria, lobisomens, curandeiros possessão, evocação de espíritos, a França parecia tomada pelo sobrenatural. A crença em presságios e na adivinhação parecia mais forte do que o sentimento religioso.

Nas cidades, porém, proliferavam as cartomantes. Entre elas, nada de parentesco com o Diabo ou a feitiçaria. Diziam-se apenas especialistas em adivinhação e capazes de ler o futuro num baralho ou na borra de café. Não adiantava a polícia persegui-las. Fechava-se um gabinete aqui, se abria outro ali. Apesar das multas aplicadas, embora acusações de “enganar o público” ou de “semear cizânia nas famílias”, malgrado os artigos em jornais associando-os a adeptos de Satã ou a embusteiros, eles estavam em toda a parte. Mas discrição e segredo envolviam os negócios de adivinhação. Divertimento ou verdadeira preocupação em conhecer o futuro, operada por amadores ou “profissionais”, a adivinhação não deixou de exercer enorme fascínio e a sociedade participou deste entusiasmo.

Tudo indica que junto com as livrarias e editores franceses, restaurantes e cocottes, a cartomancia tenha chegado junto com os franceses à Corte. Em junho de 1874, entre várias informações tais como o concerto da artista lírica Adelaide Ristori ou o recolhimento de frangos e galinhas por infração de posturas municipais – era proibido deixar animais domésticos pela rua – um anúncio discreto de uma já conhecida: “Madame Potier cartomante que tratava de espiritismo” à Rua São José.

Na Rua do Carmo era a vez de uma concorrente que atendia das nove da manhã às seis da tarde. O importante era possuir os poderes de visão, premonição e projeção. A insistência em associar cartomancia e espiritismo indicava a origem francesa da prática e a capacidade de desvendar o futuro. As cartas seriam o meio e o elemento de ligação com o Além. “Correr cartomantes”, ou seja, freqüentá-las, saía barato. Em torno de 2$000 e serviam de distração às mulheres como Rita, esposa adúltera do conto A cartomante de Machado de Assis:

“Os homens são assim; não acreditam em nada. Pois saiba que fui, e que ela adivinhou o motivo da consulta, antes mesmo que eu lhe dissesse o que era. Apenas começou a botar as cartas, disse-me: “A senhora gosta de uma pessoa…” Confessei que sim, e então ela continuou a botar as cartas, combinou-as, e no fim declarou-me que eu tinha medo de que você me esquecesse, mas que não era verdade…”.

Como concluiu o autor, havia mais coisas entre o céu e a terra do que podia sonhar nossa vã filosofia. E as cartomantes saltavam das ruas para as páginas dos livros. Desde 1845, as livrarias vendiam livros e brochuras que ensinavam a “pôr cartas”. Era o caso de certo “O Fado: novíssimo livro ou jogo de sortes engraçadas” em nova edição aumentada, por apenas 1$280. A partir de 1860, a livraria Laemmert  oferecia “A pitonisa de Paris ou Cartas da célebre Cartomante Madame Lenormand”. Vinha com trinta e seis cartas coloridas e era excelente presente para senhoras. No mesmo Diário de Notícias, anunciavam-se Revelações do Cigano, com “vinhetas burlescas e recomendado para curiosos ao preço de 1$0”. O Programa-Avisador, folheto com toda a sorte de informações, distribuído gratuitamente nos teatros e salas de espetáculo, também anunciava quem “jogasse cartas”.  Inclusive a presença no Rio de Janeiro de “Madame Anna, discípula da célebre Madame Lenormand”! A cartomancia cruzava os mares!

Em 1888, dois meses antes da assinatura da Abolição, o Diário de Notícias denunciava: diariamente se via jornais da Corte com pomposos anúncios de “peritas cartomantes”. Elas tudo adivinhavam: passado, presente e futuro. Respondia pelos nomes de a Corcundinha da Rua Marechal Câmara, a Ceguinha da Rua da Misericórdia ou a Rosa.  A crítica maior, porém, ia aos freqüentadores: “gente de espírito fraco”, “cérebros mórbidos” que acreditavam em qualquer tolice. Profecias e adivinhações sempre “malignas e mentirosas” geravam problemas dentro das famílias. E o editorialista cravava: “As cartomantes são mais perigosas do que os curandeiros”. Os primeiros estragavam a saúde e elas, corrompiam o espírito, deixando seus clientes medrosos e inseguros. O antídoto era o “aperfeiçoamento intelectual” da população. Só ignorantes, e no Brasil havia muitos, segundo o editorial, caiam em tais crendices.

Coincidência ou não, no mesmo jornal, os leitores acompanhavam o folhetim de Alexandre Dumas, O colar da rainha. Aí, a própria Maria Antonieta, cliente de Madame Lenormand, aparece em cena consultando o sobrenatural.

A partir dos anos 80, mudanças: o jornal O Apóstolo e Carbonário empreenderam verdadeira campanha contra a cartomancia. O segundo pedia aos leitores que evitassem “tais consultas” “pois além de exploradoras”, as profissionais eram “perigosas”! E o primeiro criticava a tolerância da polícia mais indulgente com cartomantes do que com os cultos africanos. Será porque eram bonitas? – perguntava-se o articulista. A comparação com o espiritismo também chegou. Nas páginas de A Estrella, estranhava-se que a polícia perseguisse mais as cartomantes do que o espiritismo, Ora as primeiras provocavam muito menos males que o último. Esse, sim, multiplicava o número de loucos.

Apesar da perseguição, no centro, nos arrabaldes ou subúrbios transbordavam as sacerdotisas do futuro, capazes, dizia-se, de modificar as fatalidades do destino. Contrariavam a morte, as desgraças e os males. No Largo da Batalha a mulata Estefânia com seu rosto largo e cabeleira farta lia o futuro de todas as formas.  Quando passava um cupê apressado ou um landau de cortinas arriadas, já se sabia: “- Casa da feiticeira”!

Na Rua Santo Amaro era a “Princesa Matilde” que recebia. Usando perfumes exóticos, um anel onde se desenhavam as fases da lua e os signos do Zodíaco, dizendo-se amiga e correspondente da famosa francesa Madame Thebes, sua agenda de sextas-feiras fervilhava. O ambiente era sofisticado. Suas cartas eram cuidadosamente guardadas num sarcófago de prata de onde extraia, com mãos delicadas de feiticeira, a miragem do futuro. Lá se reuniam os adeptos do Ocultismo indiano, do cabalismo hebraico, do Esoterismo egípcio, de Swedenborg, de Kardec, de Comte.

Uma espécie de homenagem irônica foi feita pela Fon-Fon a uma famosa cartomante, Madame Zizina, quando morreu. Corcunda, ela não atraia pelo físico, nem pelo brilho intelectual e mundano da “Princesa Matilde”, mas era sacerdotisa de sólida reputação e popularidade:

“Eu fui dos que se entristeceram com a morte de Mme. Zizina. Sempre acreditei em tudo o que ela predizia, principalmente porque nada se realizava. Acreditar com certeza é a mais dolorosa das manias. Mme. Zizina foi uma vendedora de ilusões. Homens e mulheres que iam ao consultório dela, saíam de lá trazendo a verdade:

“ – Seja encantadora e cala-te…”

Mas, Mme. Zizina não pode seguir esse aviso de prudência. Ainda pequena caiu da escada e ficou na impossibilidade de ser encantadora. Cresceu com a espinha deformada e o rosto sulcado de lágrimas – feia!

[…] Mme. Zizina levou para o silêncio a voz do engano. E levou a esperança… Que há de ser de nós, agora?

“As cartomantes cujos anúncios enchem os jornais não inspiram confiança; além de estrangeiras, são bonitas”.

Pano rápido!

Para se consultar com Mme. Zizina ou outras, as damas elegantes vinham de Botafogo e Águas-Férreas, às escondidas. Rosto coberto por véus ou à sombra de leques emplumados. Eram esposas enganadas, mulheres que sofriam com o desprezo ou indiferença dos maridos. Certa Estefânia conhecia mandingas para desfazer paixões ilícitas e reacender fogueiras nos corpos frios. As mocinhas queriam saber se casavam “mesmo”. As idosas buscavam remédios que a medicina não oferecia para males do fígado ou asma. Os homens, banqueiros, políticos, administradores e até membros do Círculo Católico também se esgueiravam no corredor escuro da casa da cartomante. A hora mais comum para consultas era à tarde. O lusco-fusco e a falta de iluminação ajudavam ao anonimato.

Poderosas as cartomantes? E muito. No morro de Santo Antônio, se atribuía a introdução da peste bubônica, o fim da criação de galinhas de Maria Caolho e a morte por estupor de Chico de Marocas a certa negra Marcolina. Amiga do Tinhoso a quem recebia às sextas-feiras, a “bruxa” de muita idade gostava de pitar cachimbo de barro e saudar as pessoas com um “Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo”. Ali, num casebre que dava para a Rua dos Arcos, atrás de algumas moitas onde brincavam moleques seminus, ela deitava cartas, conhecia orações para aprumar a vida, as normas de São Cipriano, fazia feitiços de sapo para “amarrar amantes’ e dava consultas “para desmanchar coisa feita”. Seu cliente mais assíduo: o poeta gaúcho Múcio Teixeira.

Mas, quem botava as cartas? Resposta: os espíritos. As cartomantes eram apenas um instrumento, simples intérpretes da sabedoria dos mortos. A curiosidade, momentos de crise ou de indecisão levavam católicos e não católicos ao seu baralho. A credulidade nunca teve classe, religião, nem cor.

– Mary del Priore.

espiritismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 Comentários

  1. luciane compiani branco disse:

    Gostaria de saber mais sobre MME Zizina, ela era irmã da minha bisavó , descobrimos no final de 2015, fez 100 anos de sua morte, vocês tem mais alguma informação sobre ela? Desde já agradeço

  2. Ricardo disse:

    Muito boa colocação.

  3. Lucia Acosta disse:

    Que texto belo!!! Tão pouco se encontra na literatura, esta historia feita de dor , de dedicação e fé. Parabéns.

  4. Parabéns pelo excelente texto. Sinto falta de um material de pesquisa que conte as vivências da Cartomancia no nosso pais. Aproveito para dizer que estou ansiosa por ler o livro todo!
    Muito obrigada , desejo sucesso!

Deixe o seu comentário!