Navio negreiro que naufragou em 1794 é encontrado na África do Sul

Publicado em 1 de junho de 2015 por - História do Brasil

A embarcação transportava de 400 a 500 escravos da África para o Maranhão, em dezembro de 1794. Os escravos iriam trabalhar na cultura da cana-de-açúcar.

De acordo com o jornal “The New York Times”, pesquisadores do Museu Nacional de História e Cultura Afro-Americana (NMAAHC, na sigla em inglês) devem anunciar nesta terça-feira (2) uma descoberta sinistra e inédita. Em parceria com o museu sul-africano Iziko e com o projeto “Slave Wrecks” (Naufrágios Escravos, em tradução livre), os pesquisadores afirmam ter encontrado os destroços do navio negreiro português São José Paquete África, localizados próximos à costa da Cidade do Cabo, na África do Sul.

Segundo a equipe que conduziu as buscas, é a primeira vez que destroços de uma embarcação negreira que afundou com escravos dentro são encontrados.De acordo com o jornal americano, o navio português deixou Moçambique com destino ao Maranhão, onde venderia os escravos para trabalhar nas plantações de cana de açúcar.

Confira a reportagem completa da Folha de S. Paulo:

http://click.uol.com.br/?rf=homec-rotativo-topo-modulo1-item1&pos=mod-1;topo&u=http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2015/06/1636218-navio-negreiro-que-naufragou-com-escravos-e-encontrado-na-africa-do-sul.shtml

negreiro

 Pinos de cobre encontrados no naufrágio do navio negreiro encontrado na costa sul-africana.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 Comentário

  1. Sandive Santana disse:

    PREZADOS,

    Trabalhos de pesquisa desta monta, podem trazer novidades e atualizações á história da migração forçada, dos negros ao Brasil, em especial ao Maranhão. Contudo, os resultados, devem ser socializados, afim de, sem interrupções de outros segmentos de estudos, buscarem saberem sobre, como tais informações impactam, positivamente, a população negra, afrodescendente e em geral. Creio que daria o que pensar.

Deixe o seu comentário!