Modas e modos de homem

Publicado em 9 de abril de 2014 por - História do Brasil

A princípio pode-se pensar que os homens são mais simples e despojados que as mulheres na hora de escolher seu guarda-roupa – pelo menos, é o que diz o senso comum nos dias de hoje. A História nos mostra que não é bem assim: nas civilizações antigas, os homens, principalmente os de classe mais alta, já se preocupavam em exibir trajes, cabelos e barbas aparados de acordo com as tendências da época, além de vários acessórios. Os egípcios – tanto homens quanto mulheres – foram retratados usando túnicas e outras vestimentas de linho drapeado ou plissado, sandálias, cintos, joias e maquiagem pesada. Os gregos também se esmeravam nos elegantes drapeados de lã, linho ou seda, feitos a partir de um pedaço de tecido – no que foram imitados pelos romanos. A vaidade masculina e o culto à beleza dos corpos viris foram traços marcantes destas civilizações. Cosméticos, unguentos, maquiagens, roupas e outros pequenos artifícios sempre foram aliados dos homens na busca pela elegância.

Na Idade Média, as roupas da maioria da população eram feitas em casa, de linho ou lã. A nobreza, porém, possuía um vestuário mais sofisticado, com tecidos nobres, como veludo e seda. Os homens se valiam de alguns truques para realçar as suas formas: usavam o gibão, um casaco curto e acolchoado que enfatizava o peito largo, com mangas bufantes e cintura marcada. Os calções podiam também ser curtos e bufantes, e os sapatos pontiagudos (poulaines). Por cima, uma túnica longa com acabamento de peles de animais, adornada com cinto ou cordão. Muitos usavam um outro tipo de túnica, de comprimento médio e decorada, com bordados e enfeites. Na Itália, era comum o uso de uma espécie de saia pregueada e a tendência de usar preto também foi popular naquela região – estilo que ficou conhecido como “espanhol”. O formato dos chapéus e o material usado neles variaram bastante no período.

Segundo o filósofo Gilles Lipovetsky, em “O Império do Efêmero, a moda e seu destino nas sociedades modernas”, podemos utilizar o termo moda a partir do final da Idade Média, quando o vestuário adquire um caráter provisório, mudando de acordo com os modismos. Esta inconstância diferenciava as sociedades antigas das modernas, já que as primeiras não aceitavam a desqualificação do passado, condição inerente ao fenômeno da moda. Na primeira fase da sua existência, que duraria cerca de cinco séculos de acordo com o autor (a etapa seguinte se instalaria ao longo da segunda metade do século XIX, quando surgiram sistemas de produção e difusão duradouros), a moda foi restrita à aristocracia.

Se dermos um salto no tempo e analisarmos o Brasil colonial, veremos que a preocupação com a aparência e com a indumentária também era muito presente nas cabeças masculinas, a exemplo do que acontecia na Europa. O luxo e a ostentação no vestir faziam parte da vida da população no Brasil de então, principalmente entre aqueles que sonhavam em integrar a “nobreza” local. A preocupação com os trajes era tão grande entre os homens como entre as mulheres. Como nas civilizações antigas, as roupas funcionavam como uma ferramenta para demonstrar a classe social em que cada um estava inserido.

Os guarda-roupas dos senhores elegantes da Colônia eram compostos por calções e gibões de cetim, linho e tecidos adamascados, roupetas de gourgorão, casacas de seda, camisas brancas, coletes de veludos, lã fina ou sedas, meias e ligas de seda, gravatas e roupas de baixo com rendas, lenços de seda e algodão da Índia, capas; sapatos e botas com fivelas de ouro e prata, botões de metais preciosos, chapéus de lã. Tudo isso, ainda contava com o acabamento de bordados, fitas, brocados, telas e até lantejoulas. As cores dos tecidos costumavam ser escuras e o preto era um dos tons preferidos. O uso das perucas não foi popular no Brasil, apenas os homens de leis, magistrados e alguns nobres europeus insistiam em exibi-las em terras coloniais. A França era a maior irradiadora de modas no período. No século XIX, os ingleses passam a dominar o guarda-roupa masculino, influenciando inclusive os brasileiros.

Em Portugal, até o século XVIII, a influência francesa na moda era marcante, apesar de as tentativas da Coroa em estimular o uso do traje típico lusitano e dar impulso à produção local de tecidos. D. João V, foi o rei português que mais imitou a corte francesa em seu luxo e ostentação, usando camisas de seda, coletes e casacos com brocados, bordados, fitas, rendas, perucas, ornamentos em ouro e prata, muitas joias e pedras preciosas. A Revolução Francesa modificou bastante os costumes e as modas na Europa, simplificando, em um primeiro momento, a indumentária. As modas pós-revolução chegaram com atraso em Portugal. Mesmo na França, os poderosos, aos poucos, voltaram a rebuscar o vestuário. A corte de Napoleão Bonaparte ficou conhecida pelo luxo e o próprio imperador não dispensava a pompa dos rituais ligados às cerimônias oficiais.

A indumentária também era parte importante da sociedade brasileira, por meio dela era possível identificar o papel de cada indivíduo na complexa cadeia de relações sociais. Portanto, o ato de sair à rua era precedido de um longo ritual para os homens e mulheres mais abastados: os tecidos nobres, as joias, os assessórios, as carruagens e os cavalos, além do número de escravos, todos estes itens eram minuciosamente escolhidos com o objetivo de mostrar aos demais todo o seu poder e riqueza. Outro símbolo de distinção era poder exibir o hábito de uma das Ordens Militares – de Cristo, Santiago ou Avis –, o que representava era uma honraria muito importante para os fidalgos das terras coloniais, mesmo porque representava uma quantia em dinheiro e uma série de vantagens fiscais. Como a maior parte da nossa aristocracia não possuía títulos de nobreza – já que estes eram raros, até a chegada da Família Real Portuguesa, em 1808, quando D. João VI começou a distribuí-los entre os membros da elite – estes hábitos eram muito cobiçados. – Márcia Pinna Raspanti

escolade atenascultura-egipcia-73

 

“A Escola de Atenas”, de Rafael; arte egípcia: vaidade masculina desde a Antiguidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 Comentários

  1. Julio disse:

    Poderia disponibilizar as referências?

    • Márcia disse:

      Boa noite, Julio.
      O post é baseado no capítulo “O que ‘eles”vestem”, de Márcia Pinna Raspanti, do livro História dos Homens no Brasil, organização de Mary del Priore e Márcia Amantino. (Ed. Unesp, 2013). Segue também a bibliografia que utilizei para escrever o capítulo. Espero que o ajude! Obrigada.

      Bibliografia:
      ANCHIETA, José de. Informação da província do Brasil para o nosso padre. In: “Cartas”. São Paulo, Editora Loyola, 1984.
      ARAÚJO, Emanuel. O Teatro dos Vícios. Rio de Janeiro, José Olympio Editora, 1993.
      AZEVEDO, Aluísio. O Cortiço. São Paulo, Editora Martin Claret, 2007.
      CARVALHO, José Murilo de. D. Pedro II. São Paulo. Companhia das Letras, 2007.
      CALDEIRA, Jorge (organização). Brasil- a História contada por quem viu. São Paulo, Mameluco, 2008.
      EDMUNDO, Luiz. O Rio de Janeiro no tempo dos vice-reis. Rio de Janeiro, Editora Conquista, 1956. (3 volumes).
      FRANÇA, Jean Marcel de Carvalho. Visões do Rio de Janeiro Colonial. Antologia de Textos (1531-1800). Rio de Janeiro, Editora José Olympio, 1997.
      ———-. Mulheres Viajantes no Brasil (1764-1820). Rio de Janeiro, Editora José Olympio, 2008.
      FREYRE, Gilberto. Vida Social no Brasil nos meados do século XIX. Recife, Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Socais, 1964.
      ——–. Ingleses no Brasil. Rio de Janeiro, Universidade Editora, 3ª edição.
      FURTADO, Junia Ferreira. Chica da Silva e o Contratador de Diamantes – o outro lado do mito. São Paulo, Companhia das Letras, 2003.
      LEVENTON, Melissa (organização). História Ilustrada do Vestuário. São Paulo, Publifolha, 2009.
      LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero. São Paulo, Companhia das Letras, 2008 (11ª reimpressão).
      NOVAIS, Fernando (direção da coleção). História da Vida Privada no Brasil – vols. 1, 2 e 3. Companhia das Letras, 1997.
      PRIORE, Mary Del. Condessa de Barral – a paixão do Imperador. Rio de Janeiro, Editora Objetiva, 2008.
      ———. O Príncipe Maldito. Rio de Janeiro, Editora Objetiva, 2007.
      SABINO, Marco. Dicionário da Moda. Editora Campus/Elsevier, 2006.
      ——–. História da Moda. Editora Campus/Elsevier, 2011.
      SEVCENKO, Nicolau. Literatura como Missão. Tensões Sociais e Criação Cultural na Primeira República. São Paulo, Companhia das Letras, 2003.
      SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Ser nobre na Colônia. São Paulo, Editora Unesp, 2005.

Deixe o seu comentário!