Metamorfose: o disfarce das bruxas

Publicado em 28 de novembro de 2013 por - História do Brasil

A metamorfose era um fenômeno considerado relativamente comum nos relatos de experiências sobrenaturais no Brasil dos séculos XVI e XVII. Uma bruxa ou bruxo transformava-se em animal para enganar as pessoas e aproximar-se delas, para fazer-lhes algum mal. Havia também casos de feiticeiros que assumiam a forma de figuras humanas monstruosas e quase sempre de origem africana, indígena ou mestiça – notemos o componente racista da sociedade se manifestando.

Esses seres – humanos ou animais- sempre apresentavam traços demoníacos e deformidades. Era a imperfeição do mal contraposta à perfeição divina. O próprio diabo costumava se metamorfosear em animais ou figuras humanas. Vejamos alguns relatos, reproduzidos por Laura de Mello e Souza, em “O Diabo e a Terra de Santa Cruz”:

“A Manuel João, o jovem barbeiro do Grão- Pará, aparecera (o demônio) na forma de um grande besouro falante, reclamando do fogo que o rapaz pusera numas casas assombradas. A Antônia Maria surgira andando pelo maio de sua casa na forma de porco pequeno e preto, acompanhado de uma voz medonha(…)”.

Em muitos casos, o diabo se acalmava ao chupar o sangue de algum ser humano. Os encantamentos malignos podiam trazer doenças e morte. Entre os animais, a borboleta era um dos que levantava mais suspeitas, mas há histórias de metamorfoses em diferentes animais, como morcegos, bois, bodes, porcos e insetos, entre outros. As pessoas precisavam estar sempre alertas para não serem enganadas pelos ardis de demônios e bruxas, que poderiam se disfarçar de diversas formas.

Márcia Pinna Raspanti

 002003

Os animais como disfarce do demônio, desenhos de Goya.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 Comentário

  1. leila disse:

    desde a Grecia antiga ja se ouvia falar em metamorfoses de homens em animais fosse para seduzir ou fazer o mal…a mitologia está repleta desses seres. Mesmo hj, em regiões mais afastadas do Brasil, ainda existem no folclore popular histórias de homens ou mulheres que se transformam em animais para assim conseguirem seus intentos. Personagens, como por exemplo, a matinta pereira, ainda estão presente em nosso imaginário. E ai daquele que, andando em noite de lua cheia, não saia correndo ao escutar seu assovio…

Deixe o seu comentário!