Especial TCC – A arte de escrever: aspectos e cuidados redacionais na elaboração de textos científicos (parte 1)

Publicado em 18 de novembro de 2014 por - Educação

Por Iuri Andréas Reblin.

A produção de um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) envolve diferentes etapas: da escolha do tema e elaboração do projeto de pesquisa à realização da pesquisa e elaboração do texto escrito final. Cada etapa possui suas peculiaridades e seus desafios: 1) É importante que o tema tenha a ver com seu contexto, com suas preocupações, com anseios da comunidade científica e que possa contribuir para a melhora da vida social e para o conhecimento; 2) É importante que o projeto possa traduzir cirurgicamente os interesses, o foco, as bases e a metodologia da pesquisa; 3) É importante que o pesquisador e a pesquisadora tenham acesso ao objeto, dedicação, e que zelem pelos processos científicos durante suas investigações e, claro, 4) é importante que o pesquisador e a pesquisadora saibam traduzir o resultado de suas investigações em um texto lógico, coerente, inteligível, bem fundamentado, redigido e de acordo com o que “manda o figurino” no que tange aos critérios de um texto científico (boa apresentação, uso correto de fontes, citação, etc.). Diante dessas considerações, vamos apresentar algumas considerações redacionais e de estilo acerca da apresentação do texto escrito do TCC.

A primeira consideração é a seguinte: Não pense que escrever um trabalho bom é fácil, pois não é. Exige muita leitura, estudo, disciplina e paixão. Então, para que você tenha sucesso em sua pesquisa, é muito importante estabelecer uma disciplina ou uma rotina de leitura e reflexão e estar apaixonado pelo tema, ao ponto de quer buscar ou ler ou refletir sobre qualquer coisa que saia sobre o assunto.

A segunda consideração é que escrever bem exige leitura, muita leitura, porque assimilamos conteúdo e vocábulos novos (refinam nossa linguagem) por meio de memória visual e memória auditiva. Sem leitura, não há conteúdo, não há linguagem sofisticada, não há clareza de pensamento. Então, se ler é um hábito rotineiro que transcende o processo e a necessidade de elaboração do TCC, você está no caminho certo!

A terceira consideração é que um dos primeiros passos de distinção entre um pesquisador sério ou uma pesquisadora séria e alguém mediano/medíocre reside no tratamento que é dado à informação e à atenção nos tópicos. Por isso, atente para as normas de apresentação do TCC, desde aspectos formais externos como paragrafação, tipo de fonte, margens, posição de número de página, até aspectos internos como citação correta de fontes, respeito às definições da ABNT quanto ao uso de referências, sumário, numeração progressiva, etc. É muito comum, ou mais frequente que você imagina, pessoas não lerem as instruções de formatação, por “acharem” que o jeito que definem a configuração “dá pro gasto”, ou está correto ou maios ou menos correto, quer seja por preguiça, por não se importarem ou não, ou não acharem relevante, até por não se darem conta de que as próprias regras sofrem alterações com o passar do tempo. Por isso, é muito importante ter um manual atualizado da Instituição de Ensino Superior ou da ABNT e segui-lo à risca. Nesta perspectiva, ter um pouco de meticulosidade ou perfeccionismo não faz mal.

Nessa mesma direção, é sempre importante ter cuidado para se certificar que você está sendo preciso no que você está escrevendo; isto é, avalie se você compreendeu corretamente determinado autor ou autora, se você traduziu ou está transcrevendo seu pensamento adequadamente. Em outras palavras, seja honesto com quem lê o seu trabalho, consigo mesmo e com quem inspirou você a expor e a pensar determinadas ideias, citando corretamente a fonte. Um trabalho teórico, científico sempre parte de um pensamento precedente, do diálogo entre diferentes teóricos, por isso é muito importante ser fiel ao pensamento de quem está embasando a sua pesquisa. Não significa que é necessário ser um ventríloquo (isto é, a cada parágrafo escrever “segundo fulano de tal”, “de acordo com”, etc.), mas ter o bom senso de indicar de onde provém cada nova ideia apresentada no texto. Dica importante: não ache! Saiba! Se você vai realizar uma ação ou escrever algo, tenha fundamentos. Não faça algo achando ser assim o método. Saiba, verifique.

leitora

“A Leitora”, de Jean-Honoré Fragonard.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 Comentários

  1. Thaisa D´Alessandre disse:

    Excelente texto!!! Escrever, de fato é uma arte e um projeto de pesquisa científica, sem dúvida nenhuma, deve ser realizado com muita dedicação e paixão.
    Sou uma profissional dessa área e digo isso sempre aos meus alunos.
    Parabéns Márcia!!!!

  2. Marcia Schlapp disse:

    Grata, agora definindo minha pesquisa.

  3. collere disse:

    Mto importante o habito da leitura desde pequeno.

  4. Fabiana disse:

    Gostei. Ansiosa pelos próximos posts sobre TCC.

  5. Obrigado mais uma oportunidade de aumentar meus conhecimentos! Agora na escrita.

  6. Sonia Regina dos Santos Paulino disse:

    Mais uma nova oportunidade de explorar nossos conhecimentos, desta vez na arte de escrever. Obrigado.

Deixe o seu comentário!