Escravidão, Abolição e Pós-Abolição

Publicado em 24 de janeiro de 2016 por - História do Brasil

No site Escravidão, Abolição e Pós-Abolição (http://bit.ly/1RZ09kn), organizado pela Casa de Rui Barbosa, você terá acesso a documentos digitalizados, referências e links para sites correlatos, além de um vocabulário sobre o tema. O site também possui um espaço interativo, onde o usuário pode participar de uma série de jogos organizados a partir de cópias dos documentos. Confira!

escravidão

FONTE: MinC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 Comentários

  1. Sergio Roberto Bettanin disse:

    Quando o escravo assassinava o seu senhor, ele era condenado a pena de morte, mas havia uma outra pena (JUDICIAL ! ) a de açoite, que também era aplicada ao escravo, gostaria de saber, em que casos era aplicada a pena de açoite ao escravo ?
    obs: Esse açoite (surra de chicote) que estou falando, não era aquele aplicado na fazenda pelo feitor, a mando do senhor, mas sim um açoite que
    era dado como sentença, num tribunal, por um juiz, e aplicado nas prisões
    ou no pelourinho em praça pública, como eu disse é a pena JUDICIAL ! de
    açoite !!! não vão confundir as coisas ta gente !!!

    • marcia disse:

      Oi, Sérgio, os escravos podiam ser punidos com o açoite pelas autoridades competentes devido a vários delitos, como agressão, ameaça ou insubordinação, com relação aos seus senhores e familiares, feitores e administradores. O que regulamentava a legislação na época eram os Códigos Criminal e de Processo Criminal do Império. As Ordenações Filipinas, que vigoravam antes disso, também previam a pena de açoitamento para as pessoas “comuns” e escravos, em diversas situações. Os fidalgos estavam isentos das penas “vis”.

Deixe o seu comentário!