Enquete: qual livro de História foi mais marcante para você?

Publicado em 5 de janeiro de 2016 por - Educação

Não há como ser historiador – e nem mesmo como gostar realmente de História – se a pessoa não cultivar o gosto pela leitura. Nosso trabalho é basicamente ler, pesquisar e escrever. “Devoramos”, por assim dizer, documentos, livros, artigos, teses, cartas, trabalhos e provas de alunos e colegas. Todos nós, portanto, temos alguma obra que nos marcou de tal forma que nunca nos esquecemos dela. Mary Del Priore, por exemplo, diz que não consegue trabalhar se não tiver, ao seu lado, duas obras: ” Sobrados e Mucambos “, de Gilberto Freyre, e ” Dicionário do Folclore Brasileiro “, de Luiz Câmara Cascudo. De minha parte, não me esqueço de uma das primeiras leituras na faculdade de História: ” O Queijo e os Vermes”, de Carlo Ginzburg. “Casa Grande e Senzala” também foi fundamental na minha formação. E quanto a você? Qual livro foi marcante em sua vida? Queremos ouvir sua opinião. As respostas podem ser dadas aqui, no blog História Hoje, ou no Facebook. Participe!

Obrigada,

Marcia Pinna Raspanti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

35 Comentários

  1. Sibele Montandon disse:

    O livro de história que me marcou foi o “Histórias Íntimas” da Mary Del Priore. Obra prima!

  2. Alexandre Alonso disse:

    Seriam vários livros, incluindo romances. Mas citarei um: A humanidade e a mãe terra de Toynbee.

  3. Hermila Figueiredo disse:

    Foram muitos livros que minha mãe leu para mim e meus irmão e que eu mesma li. Não só livros mas também li muita revistas em quadrinhos infantis faroestes,, revisas de cinema e policiais gibis, almanaques,
    Três coleções marcaram minha infancia:
    1)O tesouro da Juventudo – 18 volumes
    2) Viagem através do Brasil – Ariosto Espinheira – 8 vol
    3) Monteiro Lobato – completo
    E um livro fascinante que me fez amar a ciência:
    3) Os grandes benfeitores da humanidade – de F. acquarone

  4. rodrigo pereira vieira disse:

    Os donos do poder de Raimundo Faoro

  5. Maria da Penha Delia Bueno de Morais disse:

    Foram inúmeros os livros. Deuses, Túmulos e Sábios foi o primeiro, ainda na adolescência. Depois Casa Grande, Senzala; A Capital da Solidão; 1808; 1922; A Devassa da Devassa; A História das Mulheres no Brasil; A Condessa de Barral; O Príncipe Maldito. Mais recentemente A Capital da Vertigem.

  6. João Góis disse:

    Foram vários. Mas destacaria um não-clássico: “O espelho do mundo. Juquery, a história de um asilo”.

  7. Eugenia Zerbini disse:

    Aos 14 anos, História da riqueza do homem, Léo Huberman, nas aulas do então curso “Clássico”, já citado mais acima. Muito mais tarde, pra lá dos 40, A era das revoluções, do Hobsbawn.

  8. Rosineide Gama disse:

    “Mitos, emblemas e sinais” Carlos Ginzburg….. Amooo. Livro de cabeceira!!!

  9. Karina disse:

    Uma introdução à História, Ciro Flamarion. História do Brasil do Boris Fausto. Nada além da liberdade, Eric Foner. A conquista da América do Todorov. A era das Revoluções, Hobsbawn. Escola dos Annales. Marc Block e L Febvre. Vários compêndios sobre teoria e metodologia da Nova História. Visões da liberdade do S. Chalhoub. Raízes do Brasil, Casa Grande Senzala. Os bestializados. Memória e sociedade da Ecléa Bosi. Usos e abusos da História Oral. Angela Castro Gomes. As cores do silêncio da Hebe Mattos.Trópico dos Pecados do Vainfas. Definitivamente O tempo Saquarema, do Ilmar Mattos. Muitos outros…

  10. Gabi disse:

    Olá, primeira vez aqui. 🙂
    Apesar de toda a grande problematização à cerca do livro, sei que Raízes do Brasil, irá ficar marcado para mim.
    É incrivel ler antes e durante a graduação.
    Ganhamos uma visão totalmente diferente.

  11. xico luiz disse:

    SEM DÚVIDA: HISTORIA DA CIVILIZAÇÃO OCIDENTAL DE WILL DURANT

  12. Karol disse:

    Tantos livros me marcaram, mas alguns fizeram a diferença. Adoro “Apologia da história ou o ofício do historiador”, do Marc Bloch, “O queijo e os vermes” do Carlos Ginzburg, Todos os livros do Eric Hobsbawm, em especial ” A Era dos extremos”.

  13. Juliano disse:

    “Na senzala, uma flor”, de Robert Slenes; “Nas margens”, de Natalie Davis; “Costumes em comum”, de E.P. Thompson.

  14. Vania disse:

    As Veias Abertas… e Casa Grande & Senzala.

  15. Antonio Carlos disse:

    Estudei História na Gama Filho e na Federal Fluminense e acredito que os livros de História – para ficar apenas nessa área – são necessariamente distintos para que se possa estabelecer um critério de importância comparativa. Alguns foram importantes para um tema ou para o estudo de uma época mas no geral, como base e incentivo, foram os livros do Marc Bloch que abriram o caminho para os demais. “Introdução à História”, por exemplo. Depois, nessa ordem, a descoberta da importância do Mar Mediterrâneo nos escritos de Henri Pirrene em “Maomé e Carlos Magno”. Os demais vieram na sequência depois.

  16. Geanine disse:

    “A Cidade Antiga” de Fustel de Coulanges.

  17. Roberto Viana disse:

    O livro mais marcante de História em vida é, sem dúvidas, “O queijo e os vermes” de Carlo Ginzburg. É uma inspiração constante para o meu ofício. 😀

  18. Vera disse:

    O queijo e os vermes, é fantástico, mas o meu preferido é Minhas viagens com Heródoto, do polonês Ryszard Kapuscinski.

  19. celina disse:

    Gostaria de saber a opinião da grande Historiadora Mary Del Priori sobre a mudança no ensino de História que será implementado pelo MEC. Subtrair História Universal: Antiguidade, Idade Média, Renascimento, Revoluções e introduzir história ameríndia e afro-americana.
    http://oglobo.globo.com/opiniao/a-revolucao-cultural-do-pt-18407995

  20. Julio Chuman disse:

    A Conquista da América, de Tzvetan Todorov, O Queijo e os Vermes, de Carlo Ginzburg, o texto Moralidades Brasílicas: deleites sexuais e linguagem erótica na sociedade escravista, de Ronaldo Vainfas, que está no História da Vida Privada no Brasil – volume I, Civilização Material, Economia e Capitalismo, do Fernand Braudeul.

  21. FranciscaPaschoal disse:

    As veias abertas da America Latina, Eduardo Galeano, inesquecivel!

  22. Joaci Pereira Furtado disse:

    COMBATE NAS TREVAS, de Jacob Gorender

  23. José Carlos Jambeiro disse:

    Casa Grande e Senzala A Cidadela As flores do Mal

  24. Ruy Barbosa disse:

    Galeano – as veias…primeiro livro comprado com minhas próprias economias, indicado pelo professor serjão – o louco. lá se vão longas e tenebrosas primaveras…

  25. José Mário Gomes disse:

    Foram muitos os livros que me marcaram, mas Orientalismo de Edward Said foi para mim um facho de luz sobre uma visão equivocada sobre um assunto muito sensível que perdura por tantos séculos.

  26. Flávio Berutti disse:

    “Os andarilhos do bem”, de Carlo Ginzburg.

  27. É difícil escolher um. Mas, entre tantos, dois marcaram muito: D. Pedro II, de José Murilo de Carvalho; e O Príncipe Maldito, da Mary Del Priori.

  28. Arali disse:

    “O grande massacre dos gatos” de Robert Darnton e “História e memória” de Jacques Le Goff

  29. Hélio Pariz disse:

    Não sou historiador, mas advogado com Mestrado em Função Social do Direito, sempre interessado em História, e o livro da área que mais me marcou e continua servindo de referência é “História da Riqueza do Homem”, de Leo Huberman

  30. ROGERIO WILLIAN BARBOSA disse:

    SOU PROFESSOR DE HISTORIA. CONCORDO QUE PARA GOSTAR DE HISTORIA, TEM QUE GOSTAR DE LER. GOSTAR DE LER E TER A CAPACIDADE DE RETENÇÃO DOS FATOS QUE FORAM LIDOS E É ISTO QUE CONTRIBUI PARA A FORMAÇÃO DE UM BOM LEITOR. UMA PESSOA QUE LER SABE COMUNICAR E ESCREVER MELHOR. LEITURA É O ESSENCIAL PARA COMPREENDER OS FATOS HISTORICOS.,OU SEJA, FACILITE PARA GOSTAR E ESTUDAR HISTÓRIA.

  31. Danilo Fernandes disse:

    Queijo e os Vermes de Guinzburg sem dúvida tem uma grande importância para mim, pois é uma narrativa muito gostosa e um dos primeiros livros que li na graduação. Mas o meu preferido e que me faz viajar em suas páginas é Vigiar e Punir do Michael Foucault.

  32. Ricardo Mário Gonçalves disse:

    O livro de história que mais me marcou foi “O Outono da Idade Média” de Huizinga.

  33. Carmen Salgado disse:

    Foram muitos e continua sendo tantos. As Veias Abertas da América Latina. Cangaceiros e Fanáticos. Palmares, a Guerra dos Escravos. Todos do Eric Hobsbawm e tantos outros e na fila, O Mal Sobre a Terra.

Deixe o seu comentário!