Educação sexual: entre o pudor e a ciência

Publicado em 19 de novembro de 2016 por - artigos

            Até as primeiras décadas do século 20, sexo era um segredo. A sexualidade individual era vivida em silêncio e culpa. Por isso, crescia entre os médicos a conscientização sobre a necessidade de educação sexual entre os jovens. Os anos 1930 foram o cenário para os primeiros trabalhos sobre o tema. Como funcionariam os casamentos de forma saudável se as jovens continuassem educadas “para nada saber” e os rapazes indo ao bordel? Explicando tudo direitinho, mas treinando a castidade. Fundamental era que eles não contraíssem moléstias venéreas e elas aprendessem mais sobre a maternidade. Na Europa, as escolas laicas e as associações de médicos entraram na campanha. A primeira preocupação era lutar contra abortos e doenças venéreas, e não liberar a sexualidade. Mas as diretrizes eram conservadoras. A máxima era: “a vida sexual normal” como sinônimo de “amor, união, paternidade, maternidade e família”.
          As obras tinham edições diferentes para os diferentes gêneros. As meninas só podiam ter acesso aos livros estando para casar ou depois dos 18 anos. Neles, os desenhos dos órgãos genitais masculinos e a referência à polução noturna ou à masturbação desaparecia ou ficava reduzida a uma linha. No caso dos rapazes, os assuntos eram amplamente explorados. Para elas, acenava-se com os riscos da gravidez pré-nupcial. Para eles, cuidados nas doenças sexualmente transmissíveis. Explicações para as relações sexuais eram vagas: quando chegasse a hora, ou seja, depois de casados, os dois parceiros tinham que estar deitados, o marido deveria mostrar-se paciente, e a esposa, “verdadeira guardiã do amor”, controlar “seu nojo”. Os órgãos sexuais tinham que atingir “certa simultaneidade” e “a natureza faria o resto”. Havia quem se chocasse e jogasse o livro fora sem ler.
          A repressão era forte e a ênfase no pudor, uma obsessão. “A nossa educação está errada. Todo o domínio sexual está envolto em um mistério que não é natural, entre véus de excessivo pudor”, dizia um manual intitulado Leitura Reservada, em 1913. Congressos e trabalhos científicos sobre a importância dos anos “púberes” cresciam, preocupados em impor à família “uma reação doméstica coletiva, para combater o despudor”. O assunto era tão sério que deveria passar por uma política de Estado, segundo o jurista José Gabriel de Lemos Brito: “A puberdade acarreta para os jovens de ambos os sexos perigos não só de ordem física mas ainda de ordem moral, cumprindo ao Estado preservá-los o mais possível de tais perigos. A revelação dos segredos da procriação deve ser feita de modo elevado e, paulatinamente, aos menores, sendo o silêncio até hoje adotado no caso prejudicial. (…)”
             Martelava-se que era preciso envergonhar-se diante das coisas de natureza sexual. Na época, o que mais preocupava era a difusão do nu. Fotografia, cinema e imprensa encontraram um nicho de mercado na venda de material pornográfico.
“Por tudo isso o nu e as expressões obscenas não devem ser empregados na educação sexual.” O artístico ou o científico, sim. “Esses nada têm de imoral. O primeiro prende a atenção para a harmonia das formas, o seu dispositivo, o capricho da natureza, e habilidade do artista. O segundo desperta as noções de ciência, o desvendar dos segredos da criação.”
Leia o artigo completo de Mary del Priore na revista “Aventuras na História”:
Educação Sexual
educacao-sexual
Crédito: Hafaell

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comentários

Deixe o seu comentário!