Dos “pés-rapados” à gente “de casaca”: a obsessão pela tal civilidade

Publicado em 18 de janeiro de 2017 por - artigos

          No século XIX, na zona rural, escravos andavam descalços e seminus, com um pano sujo passado entre as pernas, ou calças de riscado, o tronco nu ou com um molambo de camisa aberta no peito. Donos de engenhos e fazendas andavam ordinariamente descalços, camisa meio rasgada, calças de tecido de algodão, chapéu de palha e rosário pendente do pescoço. Em dias festivos, portavam chapéu de feltro preto, calças brancas curtas e botas compridas, presas por correias abaixo do joelho e jaqueta de chita de cor por cima do colete branco. O traje feminino compunha-se de vestido de montar, de pano azul ou verde, ornado de botõezinhos e, por baixo, longo vestido branco, bem amplo de modo a permitir montar a cavaleiro à maneira masculina. Com frequência, viam-se duas mulheres montadas num só animal. Mais comumente ainda, o homem trazia sua mulher à garupa. Atrás do casal, também a cavalo, seguiam os parentes. Fechavam o cortejo, a pé, os escravos, a pé, em fila indiana. As mulheres abrigavam a cabeça com um lenço, sobre o qual encarapitavam um chapéu de homem, redondo, preto. Ao pescoço, penduravam rosários e escapulários. E tanto os homens, quanto as mulheres não dispensavam o guarda-sol. Mesmo a cavalo.

          A indumentária opunha a “gente de casaca”, ou seja, os mineiros que andavam mais arrumados com casacas de casimira preta, aos demais que andavam de jaleco e em manga de camisa: “os pés-rapados”. Para se proteger da chuva que caia fria, até nos meses de verão, os moradores usavam “guarda-chuvas cobertos de algodão e os escravos, mantos feitos com capim-mumbeca ou buriti.

          O assunto preferido nessa época, segundo Joaquim Felício dos Santos, era a “civilidade”. Como comportar-se para parecer um “reinol”? A etiqueta era alvo de indagações: devia um cavalheiro sentar-se à mesa com espadim, sim ou não? Podia assoar-se na manga da camisa? E limpar o nariz ou escarrar em público?

          Eram repetidas, então, as reuniões de família, “quando a música eletrizava os espíritos”. “Todos dançavam, não essas contradanças modernas, compassadas, monótonas, lentas, sem significação; era o minueto engraçado e expressivo, com lânguidos e voluptuosos requebros; contradanças ardentes e animadas; valsas figuradas onde cada figura parecia significar um desejo… o doidejante fandango, regulado pelo som do xiquexique de prata”.

          Leituras e bibliotecas ocupavam muito o tempo dos moradores. Burton encontrou mineiros que estudavam o hebreu o sânscrito, como o professor de latim Dr. Aureliano Corrêa Pimentel. Gardner deliciou-se com as obras em francês e latim da pequena, mas bem fornida biblioteca do vigário de Formigas. E em Diamantina surpreendeu-se com o Ivanhoé de Sir Walter Scott, na biblioteca de uma donzela mineira. Fazendeiros e tropeiros que iam a Corte, traziam na volta, os últimos números da Gazeta do Rio.

          Jogar peteca era passatempo apreciado, segundo o mesmo viajante, para ambos os sexos. O baralho e o “whist” preenchiam a noite dos homens, enquanto as mulheres proseavam, bebericando chá. Os escravos reuniam-se nos “coretos” onde podiam cantar, beber e dançar a vontade. Batuques e lundus ao som dos poderosos caxambus, – tambores de pele -, as catiras com palmas e bate-pés no ritmo da viola, as rodas de Mineiro-Pau cantando quadrinhas, animavam as horas de folga. Em muitas fazendas, cativos tinham sua própria roça onde trabalhavam aos domingos e feriados. Também lhes era permitido criar galinhas e porcos.

         O tema das conversas era sempre o mesmo: Napoleão e seus generais. “Mineiros nunca se cansam de ouvir falar de Napoleão Bonaparte e da história trágica de nossa revolução”, registrou Saint-Hilaire. Em Formiga, reunido com os principais habitantes na casa do comandante do arraial, o assunto eram as mulheres francesas. “Seriam tão livres quanto afirmou outro viajante” perguntavam ao estrangeiro? Diante da confirmação, a reação dos mineiros era rápida: “Deus nos livre de tamanha desgraça”!

           Porque as suas, na maior parte das vezes, nem se mostravam à janela. “Na região do Rio Grande e em geral na Comarca de São João se deixam ver mais frequentemente que em outras partes de Minas. Entretanto, como esse não é um costume muito difundido nem muito bem aceito, as que se apresentam diante de seus hóspedes só o fazem desafiando os preconceitos. Ali, como no resto da província, a dona da casa e suas filhas esticavam o pescoço por trás da porta entreaberta a fim de me verem escrever ou estudar as plantas, e se eu me voltava bruscamente à cabeça via seus vultos recuando apressadamente. Centenas de vezes me foi dado assistir a essa pequena comédia” – diria Saint-Hilaire.

           Sim, as mineiras, além de elogiadas pela beleza, eram curiosas. As que jantaram com Mawe na fazenda Mantiqueira bombardearam-no com perguntas sobre as modas na Inglaterra. Como se vestiam as damas por lá? Surpreenderam-se quando o viajante lhes falou que elas cobriam as cabeças com “bonnets” visto que as senhoras brasileiras só cobriam as cabeças em idade avançada e para ornamento do cabelo preferiam um pente ricamente trabalhado. De preferência, de ouro. A que hospedou Marianne North mostrou-lhe seu guarda-roupa com “roupas elegantes e rendas, feitas à mão por ela mesma”.

  • Texto de Mary del Priore, “Histórias da Gente Brasileira: Império (vol.2)”, Editora LeYa, 2016.

liteiraJulião

Aquarela de Carlos Julião.

Os leitores do blog HistóriaHoje.com podem comprar um exemplar autografado por Mary del Priore do segundo volume da coleção “Histórias da Gente Brasileira” . Para mais informações, escreva para historia.hoje@bol.com.br 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comentários

Deixe o seu comentário!