Dicas para os estudantes

Publicado em 14 de novembro de 2013 por - História do Brasil

Você precisa de ajuda em seu TCC ou em seus trabalhos de final de ano? O blog “História Hoje” pode ajudar com indicações de bibliografia, arquivos e outras dicas úteis para quem estuda História do Brasil. Entre em contato conosco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

23 Comentários

  1. Sandra mara da cruz disse:

    Não vc se enganou, são as mulheres das minas de fluorita. Estou lendo, ” As mulheres, o poder e a família”, Eni de Mesquita Samara.

  2. Sandra mara da cruz disse:

    Muito obrigado!Encontrei três referencias que são: “Se e deixam falar”- Moema Yiezzer ; ” os subterrâneos da história” – Carlos Renato Carola e memória e cultura carvão.Também irei realizar entrevistas orais.É apenas o começo.

    • marcia disse:

      Ok, siga em frente. Desculpe, entendi que vc queria estudar as mulheres de Minas Gerais, mas na verdade seu tema voltado às mulheres que trabalham como mineiras. É um assunto muito interessante e acho ótima a ideia de recorrer à história oral. Após as primeiras leituras, vc já poderá começar a delimitar melhor seu objeto de estudo e as coisas irão fluir com mais facilidade.Mais uma vez, boa sorte.

  3. Sandra mara da cruz disse:

    Muito obrigado.Já comecei a fazer leituras. Mary Del Priore, Joana Maria Pedro. Amei o que a Mary escreve relacionada as mulheres.Sabe o que eu estava com medo? Era de não tem campo para dar continuidade nesse trabalho.Mas ontem pesquisei e vi tem terei bastante referencias.E desde o inicio da faculdade sempre buscava inserir as mulheres em meu trabalho, o que fiquei indignada era a visão que se “tinham” das mulheres. Como ela só servia para a reprodução e mais nada.Ao realizar um trabalho das mulheres islâmicas, meu próprio professor me perguntou se eu não tinha um tema melhor, isso se percebe que até mesmo dentro das universidades ainda sofremos preconceitos.Amo esse tema, grandes mulheres me inspiram. Mas a minha duvida é se devo de trabalhar com as mulheres mineiras ou outra temática? O que acha?

    • marcia disse:

      Acho que, se você quer explorar este tema, siga em frente. Apenas, repito, faça um levantamento da bibliografia (é bom dar uma olhada em teses e dissertações de mestrado publicadas recentemente) para ver se você terá um bom material para trabalhar. Um livro excelente que fala sobre a sociedade mineira do século XVIII e as mulheres, principalmente as forras e escravas, é: “Chica da Silva e o contratador de diamantes – o outro lado do mito”, de Júnia Ferreira Furtado (Cia. das Letras, 2003). Dê uma olhada na bibliografia que a autora utilizou. Boa sorte.

  4. Sandra mara da cruz disse:

    adorei o blog.Estou cursando minha graduação em história,.esse ano irei produzir meu tcc.Prendendo trabalhar com o papel das mulheres na família mineira.Muita agua ainda ira rolar. Tenho duvidas gostaria de saber a opinião de vocês, pois quero dar sequencia nesse trabalho.ACEITO DICAS.ESTOU UM POUCO CONFUSA A RESPEITO DO MEU OBJETO DE ESTUDO.

    • marcia disse:

      Oi, Sandra. pelo que eu entendi, você não tem certeza se deve continuar no mesmo tema ou mudar. Acho que você precisa, em primeiro lugar, gostar do assunto a ser estudado. Então, deve pesquisar se há bibliografia e documentação suficientes para fazer o seu TCC. Depois, tendo certeza do que você quer, comece as leituras e delimite melhor seu objeto. A partir daí, é só seguir em frente, com muita dedicação.

  5. Alberto Osório de Castro disse:

    Eis o endereço do meu blogue:
    http://emergente-pedradetoque.blogspot.pt/2014/02/missao-abreviada.html

    Cumprimentos.

  6. Roberto Viana disse:

    Obrigado pelas indicações.
    O blog é muito bom e sempre que cabe utilizo os textos aqui publicados na sala de aula. Fico muito feliz em ter um material tão rico para consulta.

  7. Roberto Viana disse:

    Bom dia! Sou da cidade de Juazeiro do Norte, CE. Sou graduado em História e estou preparando meu projeto para o mestrado. Estudo um grupo de Penitentes conhecidos como “Penitentes Peregrinos Públicos”. Esse grupo alicerça suas práticas em um manual, a “Missão Abreviada”, livro escrito em 1859 pelo padre Manoel Gonçalves Couto em Portugal. Esse livro é de tamanha importância para o grupo que eles o consideram mais importante que a Bíblia. Uma das minhas hipóteses é que muitas das práticas do grupo estejam ligadas ao temor aos castigos divinos, que são enfatizados no livro supracitado (inclusive existe um capítulo que cuida apenas de descrever o inferno). Não vou escrever muito sobre eles aqui, mas existem informações bem curiosas sobre o grupo: são monarquistas (existem imagens de D. Pedro I e II nas paredes de suas casas junto com os santos católicos), privam-se dos confortos materiais, vivem da redistribuição desse livro do padre Couto, que eles REEDITARAM. Minha questão é: quais os alcances e como aconteceu a chegada da Missão Abreviada no Brasil e posteriormente aqui no Ceará? Se puder me lançar luz com alguma indicação ficarei muito feliz. Obrigado desde já e parabéns pelo Blog!

    • marcia disse:

      Infelizmente, não tivemos contato com a documentação a que você se refere. De qualquer forma, ficamos à sua disposição para ajudá-lo em outra oportunidade. Obrigada.

      • Roberto Viana disse:

        Vocês poderiam me indicar alguma bibliografia que trabalhe com irmandades de Penitentes ou Penitência? Desde já obrigado.

        • marcia disse:

          Caro Roberto,
          Para fazer pesquisa sobre peregrinações no período colonial é obrigatório o livro: “Santuario mariano, e história das imagens milagrosas de Nossa Senhora, e das milagrosamente apparecidas, em graça dos prègadores, & dos devotos da mesma Senhora (1707)”, encontrado na sessão de obras raras da BN. Ele eponta vários locais no Brasil onde se deram “milagres”.

          Carlo Guinzburg tem o livro sobre os Benandanti, em caso de auxílio teórico. Os dois volumes coordenados por C. Alvarez Cantaló e Maria Jesus Buxó, A religiosidade popular, Baecelona, Fundacion Machado, 1989, também trazem muitos estudos sobre o tema.
          Obrigada.

    • Alberto Osório de Castro disse:

      Sou um estudioso desta obra e da vida do seu autor, Padre Manuel José Gonçalves do Couto.
      De facto, não sei como nem quando a “Missão Abreviada” chegou aí ao Brasil. Estou a começar a estudar esse aspecto.
      Pode consultar o meu blogue e, a partir dali, ter acesso ao texto do meu livro sobre a “Missão Abreviada” e o seu autor.
      Se quiser contactar-me directamente, pode fazê-lo através de um comentário no meu blogue.

    • Alberto Osório de castro disse:

      Bom dia, estimado Roberto Viana!

      Gostaria de ter o seu e-mail pessoal, para trocar impressões consigo sobre a “Missão Abreviada”. O meu e-mail é: osoriocast@gmail.com.
      Tenho viagem marcada para o Brasil para o próximo mês de Agosto. Penso que talvez me possa deslocar aí, ao Juazeiro do Norte, CE.
      Fico a aguardar notícias suas, pode ser?
      Cumprimentos.

    • Alberto Osório de castro disse:

      Bom dia, Roberto!

      Enviei-lhe um e-mail. Poderei ter resposta sua?
      Grato.

      Cumprimentos

  8. Maurílio Sayão disse:

    Bom dia a todos do História Hoje!

    Sou já graduado em História, porém estou com muita dificuldade em preparar um pré-projeto para mestrado. Não tenho um tema proposto. Mas meus interesses de pesquisas são: Mulheres, Sexo, fetiches sexuais tanto para homens e mulheres, Religião e Ateísmo.

    Sou da cidade de Manaus – Amazonas. Há alguma dica para com os meu interesses?

    Muito obrigado desde já.

    • marcia disse:

      Bom, acho que a primeira coisa que vc precisa fazer é determinar exatamente qual o tema da sua pesquisa e o período que quer estudar- é preciso fazer um recorte específico para não se perder em um mar de informações. Pense bem e escolha um tema que realmente lhe cative – afinal, vc vai passar muito tempo em contato com ele. E depois, é fazer o levantamento da bibliografia e documentação pertinentes, para saber se existe material suficiente, e quais os outros trabalhos já realizados sobre o tema. Boa sorte e conte conosco.

Deixe o seu comentário!