Começa a República

Publicado em 16 de novembro de 2013 por - História do Brasil

Se a transição do Império para a República foi bastante tranquila, os primeiros anos do novo regime foram agitados e cheios de incertezas. Diferentes grupos não se entendiam na hora de dividir o poder. Os militares foram um força importante nesta primeira fase, com os governos de Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto. Havia rivalidades entre Marinha e Exército, e entre os grupos de Deodoro e Floriano. Havia também diferenças entre as elites regionais.

Deodoro foi eleito presidente da República pelo Congresso e Floriano seu vice. O velho marechal logo entrou em atrito com os parlamentares, por causa do novo modelo de Constituição, inspirada na carta norte-americana. Querendo mais poder para o executivo, Deodoro fechou o Congresso, prometendo novas eleições e uma revisão na Constituição.

Enfrentou a oposição da Marinha, com a Revolta da Armada, e dos florianistas, renunciando em 1891, em meio à crise econômica e política. Floriano Peixoto também teria que lidar com muitas dificuldades, como a Revolução Federalista, no Rio Grande do Sul, que começara em 1893 e só terminaria quase três anos depois, no governo civil de Prudente de Moraes. Depois de Floriano, um militar só voltaria à presidência com a eleição de Hermes da Fonseca em 1910. – Márcia Pinna Raspanti

floriano

Floriano Peixoto assume a presidência com a renúncia de Deodoro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 Comentário

  1. Osvaldo Guarilha disse:

    Os primeiros anos do novo regime mostraram o que seria a república no Brasil até os dias atuais: uma mistura de incompetência, roubalheira, corrupção e impunidade.

Deixe o seu comentário!