As mulheres de D. Pedro I – D. Amélia

Publicado em 24 de outubro de 2013 por - Independência do Brasil

Amor e fidelidade num casamento imperial: D. Pedro I e D. Amélia, por Mary del Priore

Há 180 anos, um caso de amor à primeira vista. Na manhã do dia 16 de outubro de 1829, aportou na baía de Guanabara, uma fragata transportando uma jovem esplêndida como uma rosa. Ela se chamava Amélia Augusta Eugênia Napoleona de Beauharnais, princesa de Leuchtenberg e de Eichsteadt , tinha 17 anos e era neta da imperatriz Josefina, casada em segundas núpcias com Napoleão Bonaparte. Sem se conter, D. Pedro I foi ao encontro da noiva esperada. Os jornais que haviam alardeado sua beleza não se equivocaram. Ao encontrar a princesa prometida, D. Pedro I quase perdeu os sentidos. Viúvo e repelido nas suas pretensões matrimoniais por má reputação, D. Pedro I só conseguiu moça tão cheia de qualidades graças aos esforços de seu diplomata na França, o Visconde de Pedra Branca.

Enquanto isso, nas lojas da capital fitas e tecidos cor de rosa se esgotaram. Era a flor preferida da princesa, “a adorada Amélia, minha salvadora, a Salvadora do Brasil”, nas palavras do apaixonado futuro marido. O Marques de Barbacena, testemunha ocular do encontro assim o relatou: “vi os noivos tão ocupados um do outro, como se fossem namorados de muitos anos. Neste momento considero aqueles dois entes os mais felizes do mundo”. Entusiasmado, o Marques de Resende, ministro do Brasil, descreveu a noiva: “Um ar de corpo como o que o pintor Corregio deu nos seus quadros à rainha de Sabá e uma afabilidade que aí há de fazer derreter a todos, fez com que eu exclamasse, na volta para casa: valham-me as cinco chagas de N. S. Jesus Cristo, já que pelos meus enormes pecados não sou o Imperador do Brasil”. E prosseguia, inconveniente: “Que fará o nosso Amo, na primeira, na segunda  e em mil e uma noites? Que sofreguidão”! Não errou. Anos mais tarde, D. Pedro ainda chamaria a esposa carinhosamente de “bocado de rei”…

No dia seguinte, a cidade engalanou-se para as bodas. Salvas de artilharia, iluminações, repiques de sinos e arcos triunfais saudaram o longo cortejo de carruagens, desde o Arsenal da Marinha até a Capela Imperial, onde se celebrou o casamento religioso. Encerrou-se a cerimônia com um Te-Deum cantado pelos professores da Imperial Câmara e música de autoria do próprio Imperador. D. Amélia adotou o costume que vinha da época do Consulado napoleônico: o “vestido de casamento” longo, branco e acompanhado de véu de renda, como o que usou Carolina Bonaparte para esposar o general Murat. (vide gravura Debret)

 Apesar da pouca idade, D. Amélia veio para mudar a vida de D. Pedro I,  mas, também a da sua Corte.  Ao chegar ao paço de São Cristóvão, ficou impressionada com a desordem. O Imperador recebia a todos de qualquer maneira. Imediatamente tratou de disciplinar o palácio, impondo etiqueta e cerimonial, obrigando o cumprimento de horários e colocando o francês como língua oficial. Além disso, introduziu o refinamento dos serviços e da indumentária. Feminina, belíssima e moça, Amélia não só inspirou a Ordem da Rosa, condecoração criada pelo marido em sua homenagem, com a legenda “Amor e Fidelidade”, como consolidou nos trópicos, um savoir-vivre, característico das Cortes européias.

A seu pedido, D. Pedro renovou o mobiliário comprando um novo ao chileno Gabriel Arcos, recuperou cerimônias de ostentação, adquiriu tecidos finos, louças requintadas e objetos de decoração. O casal imperial recebia com monumental baixela em “vermeil”, atualmente pertencente à casa real sueca e com peças em prata executadas pelo célebre Odiot; Serviço de mesa de D. Amélia, com a inicial “A” em dourado ou o de casamento com cenas, paisagens, flores e frutos em policromia; Copos da família imperial em Bacarat e roupa de mesa em damasco, tendo nos cantos a inicial “A” sob coroa imperial.

A elegância da imperatriz era comentada na correspondência estrangeira. Ela gostava de usar diademas  com pingentes e medalhões; brincos, broches e pentes de cabelo em aço cromado imitando brilhantes; mantos, redingotes e pelérines de tafetá com barras bordadas de canutilhos e lâminas de ouro; vestidos também com bordados no mesmo metal; colares de esmeraldas ou ametistas facetadas. Seus cabelos louros estavam sempre penteados em cachos ou em coque, emoldurando um rosto perfeito. Nos retratos, sua indumentária revela que a cintura fina era esmagada por cintos, as saias abriam em evasées, os tops em imensas mangas balão ou “jambon“. Foi o tempo em que os spencers, os sapatos de baile sem salto e as botinas de sarja fina entraram na moda. Em que as bolsas de mão foram substituídas pelo leque. Os decotes diurnos eram pequenos e arredondados. Para a noite, a linha  nua do pescoço se prolongava até os largos decotes que morriam nos ombros.

O casamento de D. Pedro com a jovem D. Amélia representou um momento de calmaria em meio ao turbilhão de acontecimentos que caracterizou o Primeiro Reinado. Graças a esse matrimônio, D. Pedro voltou a ser o monarca amado por toda uma nação e envolvido num idílio amoroso digno dos folhetins então publicados nos melhores jornais do país.

 001 (3) A bela D.Amélia, que fica viúva muito cedo e passa o resto da vida de luto pelo marido, dedicando-se  à única filha do casal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 Comentários

  1. emilly disse:

    gostaria de ver um post sobre a primeira Imperatriz,D.Leopodina tenho que fazer um tralbalho sobre ela e vc mim ajudaria muito com um post.

    • marcia disse:

      Oi, Emily. Já fizemos muitos artigos sobre D. Leopoldina no blog! Dê uma pesquisada que você vai achar. Se tiver alguma dúvida específica, entre em contato novamente. Obrigada.

  2. Victor Venquiaruti disse:

    Sou apaixonado pela história de nossa segunda Imperatriz, sou formado em história e garimpei tudo que foi possível sobre Dona Amélia, e sua filha, ressalvo a dificuldade de obtenção desse material, e infelizmente a pouca profundidade do mesmo, nunca entendi por exemplo o motivo de D. Amélia nunca ter voltado para o Brasil, e nunca foi estudado até onde eu sei a relação dela com os familiares, principalmente pelo lado materno. Uma pena…

  3. Ofélia disse:

    Mas é agora que o Museu do Ipiranga. Está fechado, o que aconte com os documentomentos que estão lá?

  4. Elvira Maria disse:

    Sou muito apaixonada pelo século 19 aqui no Brasil;gostaria de saber se existe,aqui no RJ,algum acervo relativo ao primeiro reinado.O que eu conhecia,infelizmente acabou,pois estava no Museu do Primeiro Reinado,na casa da Marquesa de Santos,hoje,em reformas para abrigar o Museu da Moda,em minha opinião,uma infeliz idéia…O que foi feito do mobiliário,vestimentas,objetos de uso pessoal de D.Pedro I e seus filhos?

    • marcia disse:

      Existe o Museu ou Palácio Imperial de Petrópolis, que possui um vasto acervo de peças da família imperial. Em São Paulo, o Museu Paulista ou do Ipiranga também guarda peças interessantes.

  5. ANTONIA SANTANA disse:

    O VISCONDE DE PEDRA BRANCA SERIA O PAI DA CONDESSA DE BARRAL?

  6. Fascinante as histórias das primeiras imperatrizes. Curioso que elas passaram pouco tempo no Brasil e são mais lembradas que D. Tereza Cristina, que passou quase meio século nas nossas terras. Gostaria de ver um post sobre ” a mãe dos brasileiros”.

Deixe o seu comentário!