A fabricação de tecidos no Brasil

Publicado em 3 de janeiro de 2014 por - História do Brasil

           Já vimos que os brasileiros eram facilmente seduzidos por tecidos luxuosos. Vários cronistas destacam a preferência dos nobres pelas sedas, cetins, veludos e adamascados, trazidos em navios pelos mercadores europeus. Os mais pobres também sonhavam com tais artigos e não perdiam a oportunidade em adquirir peças de “panos finos”, como se dizia, mesmo que já estivessem usados e velhos. A maior parte da “arraia miúda”, porém, vestia-se de algodão e chita. A produção brasileira nas primeiras décadas da colonização se restringia aos algodões mais grosseiros para o uso da população em geral e dos escravos.

          Na verdade, os índios já cultivavam e fiavam o algodão selvagem quando os portugueses chegaram por aqui. Com a introdução de novas espécies pelos portugueses a qualidade de nossos tecidos aumentou bastante. Já no século XVIII, a cultura algodoeira ganhou importância considerável, principalmente nos estados do Nordeste. A chita logo caiu no gosto popular e foi bastante usada até pelos mais abastados em cortinas, almofadas e na decoração. Leves e coloridas, as chitas brasileiras eram baratas, bonitas e adequadas ao clima tropical. Na Europa, o tecido também conquista os mais nobres: os algodões indianos, estampados e pintados, tornaram-se sinônimo de status, principalmente na França e na Inglaterra.

         Portugal, porém, sempre esteve atento ao desenvolvimento das manufaturas de tecidos nas terras coloniais. Era preciso autorização da Municipalidade para tecer maiores quantidades. Em 1785, quando a produção estava em franca expansão, o famoso decreto de D. Maria I proibiu a criação de manufaturas no Brasil. O objetivo era estimular a produção portuguesa e favorecer o comércio com a Inglaterra (que vendia algodão para o Brasil por intermédio de Portugal).

           A situação se modifica apenas a partir de 1808, com a abertura dos portos brasileiros “às nações amigas”, o que põe fim a este monopólio português/inglês. Com a mudança da corte para a colônia, as manufaturas voltam a se expandir. Em 1869, em Minas Gerais, uma indústria passa a fabricar chitas em larga escala. – Márcia Pinna Raspanti.

D.Maria Ia

D. Maria I: decreto que proibiu as manufaturas na colônia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 Comentário

  1. Aline disse:

    Boa tarde,
    Gosto muito da página. É uma mídia de grande suporte para pesquisa, desenvolvimento e amadurecimento de um olhar acadêmico para os novos pesquisadores. Bem, gostaria muito de ter indicações de bibliografias sobre a relação Brasil e Portugal no trânsito de tecidos no Brasil e a produção de tecidos no país no período da proibição. Fico muito grata pela atenção.

    Att,
    Aline

Deixe o seu comentário!