A Belle Époque

Publicado em 17 de novembro de 2013 por - História do Brasil

“Rio de Janeiro, início do século XX. Os anos posteriores à proclamação da República foram marcados por um turbilhão de mudanças. A europeização, antes restrita ao ambiente doméstico, transformou-se em objetivo – melhor seria dizer “obsessão” – de políticas públicas. Tal qual na maior parte do mundo ocidental, cidades brasileiras passaram por um processo de mudança radical, em nome do controle e da aplicação de métodos científicos; crença que também se relacionava com a certeza de que a humanidade teria entrado em uma nova etapa de desenvolvimento material marcada pelo progresso ilimitado. Por apresentar uma visão otimista do presente e do futuro, o final do século XIX e início do XX foram caracterizados – seguindo a moda europeia – como sendo uma belle époque. Havia, contudo, uma face sombria nesse período. O início da República conviveu com crises econômicas, marcadas por inflação, desemprego e superprodução de café. Tal situação, aliada à concentração de terras e à ausência de um sistema escolar abrangente, fez que a maioria dos escravos recém-libertos passasse a viver em estado de quase completo abandono, sem direito a voz na sociedade brasileira. A capital ganhou maquilagem transformando-se numa ‘Paris à beira-mar’, graças a Pereira Passos. O país perdeu Machado de Assis e Euclides da Cunha. As revoltas da Vacina e da Chibata agitaram as ruas”.- Mary del Priore.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 Comentário

  1. Jeferson Augusto da Cruz disse:

    Olá Mary e Marcia,

    Gostei muito dessa postagem. Estou trabalhando no mestrado a Belle Époque em Aracaju, foi um momento tardio na nossa história e por conta disso, existem céticos na academia que não corroboram com esse fenômeno. Enfim, gostaria de saber se vocês acreditam que houve Belle Époque em outras cidades do nosso país.

    Abraços Fraternos.

Deixe o seu comentário!