7 de setembro: o “Grito do Ipiranga”

Publicado em 7 de setembro de 2016 por - artigos

        Voltando de Santos, para onde fora em 5 de setembro, a comitiva do príncipe D. Pedro recebia cartas provenientes da corte. Traziam as péssimas notícias do Rio de Janeiro, enviadas por Leopoldina e Bonifácio. E mais outras. Na carta de um dos irmãos de José Bonifácio, Antônio Carlos, escrita de Portugal, a mensagem era direta: “inimigos de toda a ordem e que não poupavam areal pessoa de Vossa Alteza Real de envolta com ataques ao Brasil”.
Até então, D. Pedro tinha cumprido quase todas as decisões que emanavam da metrópole. Na verdade, ele se encontrava numa encruzilhada. Ou o rumo dos acontecimentos se alterava, ou ele voltaria à Europa. Duas possibilidades estavam no ar: a proclamação de uma república, seguindo o exemplo de vizinhos como Colômbia e Chile; ou a conservação da monarquia, com o apoio de uma Constituição.

O “dia da ficada”, mais conhecido como o Fico, a 9 de janeiro de 1822, dera ao governo de D. Pedro a possibilidade de recuperar a autoridade que as Cortes tinham posto em causa. O importante, como já se viu, era concentrar esforços na união de três províncias: Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. Mas os problemas que se apresentavam não eram apenas externos. Havia os internos, também.  A cidade de São Salvador da Bahia de Todos os Santos e o Maranhão continuavam fora de sua influência. Ambos concentravam setores da elite alinhados com o projeto recolonizador. Na Bahia, o sertão e o rico Recôncavo estavam com o imperador, assim como o sertão de Pernambuco e a mata sul do Piauí, região de bons pastos. O interior do Ceará, Alagoas e Sergipe estavam a favor de Portugal. São Paulo, dividido na mão de grupos rivais, ainda que todos a favor da independência.
A unidade necessária a uma tomada de posição ainda estava longe de existir. Manifestos se multiplicavam incentivando a ideia de independência e liberdade. Só faltava um ato que os justificasse. Do lado português, as ameaças eram concretas: ruínas, escravidão e horror. Em Portugal se reuniam cerca de 7 mil homens, além dos 600 que já se encontravam na
Bahia. Projetava-se fazer nessa província um centro de operações para fomentar desordens nas demais províncias e atacar o governo do Brasil. Outros boatos incendiavam a capital, enquanto o príncipe era acusado por Lisboa das piores traições e coberto “de expressões indignas”.
Foi em meio a essa conjuntura que D. Pedro recebeu os documentos. Além das cartas de familiares e José Bonifácio, os atos recém-chegados das Cortes não escondiam a gravidade da situação. Segundo esses, o príncipe passava de regente a simples delegado das Cortes e, mesmo assim, só nas províncias onde tinha autoridade efetiva. As demais ficavam sob responsabilidade do Congresso. Seus ministros seriam nomeados de Lisboa, para onde se transferia a sede do governo do Brasil. Mandava-se submeter a processo criminal todos aqueles que contrariassem as ordens das Cortes.
Numa das versões do fato – foram três: esta do padre Belchior e as outras do barão de Pindamonhangaba e de Canto e Melo –, D. Pedro caminhou alguns passos acompanhado pelo padre Belchior, além de Bregaro, Cordeiro, Carlota e outros em direção aos animais, que se achavam à beira da estrada. Estacou no meio da estrada, dizendo: “As Cortes me perseguem, chamam-me com desprezo de ‘rapazinho’ e ‘brasileiro’. Pois verão o quanto vale o rapazinho. De hoje em diante estão quebradas as nossas relações. Nada mais quero do governo português e proclamo o Brasil para sempre separado de Portugal.”
Gritando vivas ao Brasil independente e ao príncipe, a guarda e a comitiva viram D. Pedro desembainhar a espada. Todos tiraram seus chapéus e ouviram do príncipe: “Pelo meu sangue, pela minha honra, juro fazer a liberdade e a separação do Brasil.” Segundo seus biógrafos, D. Pedro costumava jurar, em horas solenes, usando sempre as palavras Deus, honra e sangue. E tomou a direção de São Paulo, num galope picado, esporeando a sua besta baia. A comitiva o seguiu na mesma velocidade. Os correios seguiram na frente para transmitir às autoridades locais, civis e eclesiásticas, o que tinha acontecido.

Ao se aproximar do povoado, a comitiva do príncipe ouviu o repicar festivo dos sinos da Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte, localizada entre as ruas Tabatinguera e do Carmo. Sua alta torre permitia avistar os viajantes, que chegavam pela estrada do Ipiranga em direção à cidade. Os demais sinos respondiam: o da Sé, o do Carmo, o de São Gonçalo e o de Santa Ifigênia. A notícia do que ocorrera no Ipiranga depressa se espalhou. Os que presenciaram a cena comunicaram a boa-nova. Eram cerca de cinco e meia da tarde e a multidão frenética saudava com gritos e vivas. O alferes Canto e Melo, ao passar pelas ruas da Glória e Santa Teresa, logo avisou o coronel Antônio Prado, vice-governador da Província de São Paulo. Breve, ninguém mais ignorava que o Brasil estava independente. Todos se entusiasmavam. O príncipe entrou na cidade, acolhido pelos paulistas.

–  extraído de “A Carne e o Sangue”, de Mary del Priore.

 

independence_of_brazil_1888

“Independência ou morte”, de Pedro Américo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comentários

Deixe o seu comentário!