Abaixo a Barbie

“Diga-me com o que brincas e dir-te-ei quem és”.

     Aproveito o mote para falar mal de Barbie, boneca feita, por incrível que pareça, por uma fábrica de brinquedos dirigida por uma mulher. E introduzida, nos EUA, por outra. Ela tem apenas 29 centímetros mas representa toda a desmesura do mundo. O modelo incomoda, tanto mais quanto conhecemos a história das bonecas. Encontradas em tumbas egípcias ou em ruínas antigas, as miniaturas femininas tiveram por muito tempo sentido mais religioso do que lúdico. Foi em finais do século XVII que, a preocupação com a educação feminina, levou, na Europa à valorização das primeiras bonecas. Miniaturas de bebes, elas deviam incentivar os cuidados com a prole, reproduzindo os valores familiares. Bons tempos em que as bonecas tinham sentido educativo.

    Qual o sentido de um arquétipo plastificado em pin-up loura, fria como as neves do norte europeu, num país de mestiços, afogados em suor? Nada além de sublinhar o modelo da juventude americana numa sociedade que já engole lixo cultural suficiente, vindo dos USA. Para começar, trata-se de impor um estilo de vida “cor de rosa” à toda uma geração de meninas: roupas, jóias, maquilagem, tudo de mais supérfluo e descartável possível. A idéia que a boneca traduz é a de que a mulher deve ser tão improdutiva quanto dispendiosa. Seus saltos altos parecem martelar impiedosamente a opulência, a despesa supérflua , sugerindo ao mesmo tempo a exclusão feminina do trabalho produtivo, e por conseguinte, a dependência financeira do homem. Nossas filhas penetram precocemente no mundo da riqueza. Barbie lhes ensina a ser consumidoras e consumíveis pelos homens. Na interação da boneca com a criança, a valorização do aspecto exterior só reforça a idéia de que a beleza física é a chave da popularidade e consequentemente da felicidade: pernas longas, cintura de pilão, traços delicados, cabelos sempre lisos e louros, seios fálicos como foguetes. Não preciso lembrar quantas meninas ficam absolutamente frustradas por não serem assim.


   O universo de Barbie, sua casa, seu carro e etc. remetem à imagem de uma sociedade que é microcosmo de competição e comparação. Seu mundo é feito de valores materiais, do culto ao dinheiro, das compras sem fim. A caricatura étnica da boneca “morena” só faz acentuar o ideal normativo, onde os traços raciais e outros atributos são apagados. Christie, a amiga negra, não representa a diferença mas alguém que, face à loura, está fora da norma. Norma que só satisfaz no narcisismo, no cuidado com a aparência, numa feminilidade sem falhas. 


Na infância, o objeto lúdico é sobretudo resultado da escolha dos pais.

Texto de Mary del Priore.

barbie

15 cursos online gratuitos para aprender alemão

A Universia Brasil selecionou 15 cursos online gratuitos para quem quer aprender o idioma alemão.

Confira a lista de cursos gratuitos para aprender alemão (para cessar, basta clicar no nome do curso):

1 – Missão Berlim (em inglês)

2 – Alemão Básico (em inglês)

3 – Rádio D (em inglês)

4 – Aprenda alemão – Livemocha

5 – Fale alemão (em inglês)

6 – Aprenda alemão – Site Deutsch (em inglês)

7 – Alemão interativo (em inglês)

8 – Instituto de Serviços Estrangeiros – Curso Básico (em inglês)

9 – Instituto de Serviços Estrangeiros – Alemão rápido (em inglês)

10 – Germanpod 101 (em inglês)

11 – GerGermanGrammar (em inglês)

12 – Lernen Wir Deutsch (em inglês)

13 – MyDailyPhrase.com (em inglês)

14 – Alemão em um minuto (em inglês)

15 – Alemão no Busuu

Fonte: Canal do Ensino.

bandeiraAlemanha

Família Huck e Preta Gil: um retrato do Brasil?

Galeria

Esta galeria contém 1 foto.

Dois assuntos foram comentados exaustivamente pela mídia e dominaram as redes sociais: o casamento-ostentação de Preta Gil e o “quase acidente” de Angélica, Luciano Huck e família. Em minha opinião (não me odeiem se discordarem dela), não existe nada mais … Continuar lendo

Padre Antônio Vieira e a Educação Jesuítica – História do Brasil (curso grátis e online)

Confira o vídeo com a entrevista de Alcir Pécora, sobre o tema “Padre Antônio Vieira e a Educação Jesuítica”. O material faz parte do curso de História do Brasil da Univesp (Universidade Virtual do Estado de São Paulo).

http://univesptv.cmais.com.br/historia-do-brasil/padre-antonio-vieira-e-a-educacao-jesuitica

Alcir Pécora, diretor do Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp. Ele nos conta sobre a personalidade do Padre Antônio Vieira, um dos grandes intelectuais da língua portuguesa. E conta também como se dava a educação jesuítica, que buscava catequizar os índios e foi responsável pelas primeiras formas de ensino no Brasil.

vieira2

Padre Antônio Vieira: missionário entre os índios.

Unesp abre vagas em Pedagogia para professores (curso semipresencial e gratuito)

Galeria

O Núcleo de Educação a Distância da Unesp (NEaD/Unesp) em parceria com a Pró-Reitoria de Graduação da Unesp (Prograd), a Universidade Aberta do Brasil (UAB) e a Prefeitura de São Paulo oferecem 900 vagas para a graduação semipresencial em Pedagogia, voltada a professores … Continuar lendo

O Martírio do Açúcar – os aspectos salvíficos da escravidão

Galeria

Esta galeria contém 3 fotos.

          Uma das passagens mais intrigantes da obra de “Cultura e Opulência do Brasil”, de João Antônio Andreoni (Antonil), escrita em 1711 – um dos mais importantes textos sobre a economia e a sociedade do Brasil … Continuar lendo

Cinco sites para teste de proficiência em Inglês – grátis

Galeria

Esta galeria contém 1 foto.

O conhecimento do Inglês é importante para quem quer estudar no exterior ou para muitas oportunidades aqui mesmo no Brasil. Para auxiliar no estudo do Toefl (Test of English as a Foreign Language), confira alguns sites gratuitos voltados à preparação no exame, selecionados pelo Canal … Continuar lendo